Vereadores, Padres e Pastores discutiram a Ideologia de Gênero em Araripina

Por - 03/07/2015

Representantes das
Igrejas Cristãs de Araripina debateram com os Vereadores sobre a Ideologia de
Gêneros

Projeto polêmico e que
tenta driblar a sociedade e ferir a moral, os bons costumes da família
tradicional foi aprovado na Câmara de vereadores Araripina.
Pastores e Padres da
cidade de Araripina se reuniram na manhã dessa última quinta-feira (03) na
Plenária da Câmara de Vereadores do município de Araripina. A reunião para discutir
o polêmico (Plano Municipal de Educação), onde nele tem um termo que gerou uma
grande revolta e indignação dos lideres religiosos e de toda sociedade.
Para o entendimento de
todos, o projeto foi enviado a todos os municípios do Brasil para que fosse
votado e aprovado, pois trata-se do Plano Nacional de  Educação, todos os municípios teriam até o dia
24 de junho para aprovar esse plano, essa foi a alegação dos vereadores, que
por sua vez votaram em um projeto sem ter total conhecimento do que se tratava
alguns termos, mas foram justos em reconhecer o erro, onde vão fazer modificações
nos termos de ideologia de gênero.  
Primeiro entenda o
plano:
Fortalecer na
Secretaria Municipal de Educação, setor ou equipe técnica especializada e multidisciplinar (que trabalha com a diversidade) com o objetivo de realizar,
acompanhar, avaliar e monitorar as atividades referentes a educação em
direitos  humanos, a educação para as
relações ética raciais, para as relações de gênero, identidade de gênero e
diversidade sexual, educação ambiental, educação fiscal, cultural na escola,
fortalecendo parcerias entre organismos públicos, não governamentais e com os
movimentos sociais (direitos humano, ecológicos, justiça fiscal, negros /as de
mulheres, feministas, LGBT). Objetivando alcançar uma diversidade não
discriminatória.

Os vereadores foram serenos em reconhecer que
não perceberam esse pequeno grande detalhe, chamado ideologia de gênero, e
muitos alegaram que até mesmo a assessoria jurídica da Câmara percebeu. 
Vereador líder da
bancada de situação Francisco Edivaldo – o projeto passou despercebido, fomos
colocados na parede pelo MEC, onde fomos praticamente obrigados a aprovar esse
projeto, mas podem ter a certeza que vamos consertar o erro que passou
despercebido por essa casa.
Vereador Evilásio
Mateus
– eu não faço à homofobia, mas gostaria de dizer a todos aqui presentes
que sou a favor da família tradicional, e assim como os 14 vereadores que
votaram nesse projeto eu também sou humilde em reconhecer que erramos em
aprova-lo com esse termo de ideologia de gênero, termo esse que passou
despercebido por todo nós, mas se erramos o dever é consertar o nosso erro, e
foi por isso que resolvemos fazer essa reunião com os representantes das
igrejas de Araripina e com a sociedade. Então não adianta a gente pessoas ficarem
tentando denegrir a imagem dos vereadores que fazem parte dessa casa, como já
disse sou a favor da família tradicional, dos costumes morais, e é por isso que
estou aqui diante da sociedade de Araripinense discutindo esse assunto de
grande importância para sociedade. Finalizou
O Padre Cicero
representante da Igreja Nossa Senhora das Dores, disse que na audiência pública
que foi realizada na própria Câmara para discutir temáticas ligadas ao
interesse da sociedade e ao plano de educação não foi apresentado e nem
discutido a ideologia de gênero, ele acredita que a manobra imposta pelo
governo federal foi e está sendo usada de má fé, e nós que somos representantes
do povo temos que ficar atentos, pois o nosso futuro e o futuro das nossas
crianças depende de nossas atitudes – pois está escrito lá no apostolo Paulo,
“tudo me é permitido, mas nem tudo me convêm”, então o que nós precisamos é
participar mais dessas discussões das leis, dos projetos que são de interesses
da sociedade, porque eu tenho a certeza de que a sociedade não sabe o está
acontecendo e não tem o conhecimento sobre esse projeto. Disse o padre
Pastor José Luiz da
igreja verbo da vida – precisamos dar um não para essa imoralidade que o
governo está querendo implantar nesse País. Eu sou casado não tenho filhos, mas
quero tê-los, quero construir minha família, pois é assim que tem que ser, mas
confesso a vocês, que já cheguei a pensar em não ter filhos, porque eu sei que
eu estou preparado para educa-los da maneira correta, ao mesmo tempo que eu sei
que a nossa sociedade não está preparada e nem moralizada para recebe-los,
infelizmente.  Nós somos responsáveis
pela sociedade que criamos, pergunto eu; e que sociedade queremos no futuro?
O médico Aluízio Coelho
também esteve presente, onde teve a oportunidade de falar a respeito desse tema
polêmico para a sociedade.
Ele destacou Deus e a
construção da família como base para construir uma sociedade justa, disse que
não era a favor da ideologia de gênero, e que via a proposta do governo como
uma afronta a família, uma manobra rasteira para pegar todos de supressa, também
destacou o erro dos vereadores em aprovar um projeto sem ter conhecimentos mais
aprofundados, mas parabenizou os vereadores pela a humildade  que eles tiveram em reconhecer .
O professor João Muniz
destacou que muitos políticos estão tentando fazer do professor um educar, e o
professor ele não é um educador, o professor ele é um instrutor, educar é o pai
e mãe, somos nós família que temos que educar nossos filhos. Disse ele
afirmando ser contra essa ideologia de gênero 
O que foi decidido ao
final da reunião é que o plano vai ser modificado. Vale lembrar que não foi
estabelecido nenhum prazo para a modificação dos termos no projeto, mas segundo
o presidente da Câmara Luciano Capitão vai ser o mais rápido possível. 

Os Pastores que participaram da reunião foram: Pastor Barata da Assembleia de deus, Pastora Francicléia Dias e Pastor José Irismar representando a Igreja Batista do Caminho, Também o Pastor Roberto da Batista do Caminho, Irmão Alencar da Assembleia de Deus e Jorge Luiz da Igreja Verbo da Vida. 

Os vereadores que
estavam presentes na reunião para discutir o projeto foram Luis Henrique,
Evilásio Mateus, Francisco Edivaldo, Genival da Vila, Bringel Filho, Tico de
Roberto, Doval, Deval de Gergelim, Luciano Capitão e Humberto Filho, os
vereadores Aurismar, Tião, e Camila não estavam presentes.