Vereador manda Paulo Câmara tirar ‘bunda da cadeira’ e reagir à violência

Após um fim de semana de violência em Pernambuco, Paulo Câmara (PSB) foi obrado por políticos da base e da oposição. Não diferente na Câmara do Recife, onde o vereador Renato Antunes (PSC) chegou a pedir que o governo vista um colete à prova de balas e vá para as ruas. “Eles precisam tirar a bunda da cadeira e fazer algo, pois não dá mais para conviver neste clima de terror e de insegurança”, afirmou. O parlamentar sugeriu que o governo solicite apoio da Força Nacional.

“É hora do governo tirar o terno e ir até as tropas, para conversar com os policiais”, disse ainda Rinaldo Júnior (PRB).

Antunes, que é da base do prefeito Geraldo Júlio (PSB), afirmou que o combate à não é de responsabilidade da gestão municipal, mas questionou o que tem sido feito pelo socialista. “Mesmo sendo base do governo, não dá para defender o indefensável. Falo como cidadão do Recife, e me pergunto o que está sendo feito. O Recife, Pernambucano está em guerra”, disse. “O primeiro passo para sairmos da situação que o Estado encontra, é assumir que estamos perdendo este duelo com a violência”.

Os vereadores não foram os únicos. Jayme Asfora (PMDB) propôs que a Casa convoque o Secretário de Defesa Social, Antônio de Pádua, para uma audiência pública. O presidente da Comissão de Segurança Cidadão da Câmara, Almir Fernando (PCdoB) acatou a sugestão do peemedebista.

“O que me preocupa é falta de reação”, afirmou Romarinho Jatobá (PROS). “Sem falar no que ocorre nas periferias que é muito pior. O governo precisa reagir. Criar um escritório de crise de segurança e reunir quem entende do assunto”.

O vereador Wanderson Florêncio (PSC) saiu em defesa de Paulo Câmara. “Estão sendo contratados 4.500 novos policiais, mil já estão nas ruas. Foram adquiridas 320 novas viaturas e 700 motocicletas, além de dois helicópteros. O governador vem trabalhando. Já ganhamos a guerra? Claro que não”, afirmou. “O Governo de Pernambuco vem tratando na raiz, investindo na educação.”

Blog do Jamildo