Vazamento de pedidos de prisão é ‘brincadeira com o STF’, diz Gilmar

Por - 07/06/2016
O ministro do Supremo
Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes classificou como uma “brincadeira com
o STF” o vazamento dos pedidos de prisão da cúpula do PMDB feitos pelo
procurador-geral da República, Rodrigo Janot, por suspeita de atrapalhar as
investigações da Operação Lava Jato. A avaliação é de que as solicitações de
prisão do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), do senador Romero
Jucá (PMDB-RR), do presidente afastado da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e de
prisão domiciliar do ex-presidente José Sarney (PMDB-AP), com uso de
tornozeleira eletrônica, colocam o Supremo sob pressão. O despacho que aponta a
necessidade das prisões está há dias na mesa do ministro Teori Zavascki,
relator do petrolão, mas ainda não houve nenhuma manifestação do magistrado.

Em tom irritado, Mendes
disse que os responsáveis pelo vazamento dos pedidos de prisão estão
“cometendo crime” e “têm que ser chamados às falas”. O
magistrado não atribuiu diretamente à Procuradoria-Geral da República a
divulgação das solicitações de prisão, mas criticou o fato de processos
ocultos, que recebiam o mais alto grau de sigilo no Supremo e recentemente
foram extintos, serem frequentemente revelados pela imprensa. Leia mais>>>