Vaticano canonizará Madre Teresa de Calcutá em setembro

15/03/2016 13h20
O papa Francisco assinou
nesta terça-feira o decreto de canonização de Madre Teresa de Calcutá,
conhecida em todo o mundo pelas obras de caridade na Índia, anunciou o
Vaticano.
A cerimônia de canonização
será em 4 de setembro. A decisão foi tomada numa reunião de cardeais
encarregados de examinar a causa da religiosa, que morreu em 1997 e foi
beatificada em 2003.
O papa Francisco aprovou
um decreto atribuindo um milagre à intercessão de Madre Teresa durante uma
audiência em dezembro do ano passado. O pontífice conheceu Madre Teresa, quando
ambos participaram do sínodo do Vaticano em 1994. Na ocasião, o hoje papa era
arcebispo. Jorge Mario Bergoglio viu nela uma mulher forte, capaz de dar um
testemunho corajoso em meio à assembleia de bispos, lembrou o porta-voz do
Vaticano, Federico Lombardi. “Eu teria medo de tê-la como minha superior,
já que ela era tão dura”, lembrou o pontífice.
Ganhadora do Nobel da Paz,
Madre Teresa morreu em 5 de setembro de 1997, aos 87 anos. Na época de sua
morte, a ordem dela, as Missionárias da Caridade, tinha 4 mil freiras, que
comandavam quase 600 orfanatos, abrigos e clínicas pelo mundo.
Madre Teresa nasceu na
Macedônia como Agnes Gonxha Bojaxhiu em 1910. A religiosa foi beatificada em
2003, em Roma, após o Vaticano dizer que as orações de uma indiana à freira
livraram a mulher de um tumor considerado incurável. O milagre necessário para
a canonização é relativo à cura inexplicável em 2008 de um homem no Brasil, que
havia ficado um dia em coma, segundo o jornal italiano católico Avvenire. O
Vaticano aceitou que as orações da mulher do paciente pela intercessão de Madre
Teresa foram responsáveis pela cura.

l Com informações de Agências Brasil e Estado l 

Sobre o Autor

Allyne Ribeiro