InícioAraripina em FocoVai ter "Grupão" em Araripina? Quem vai ser o candidato dessa vez?

Vai ter “Grupão” em Araripina? Quem vai ser o candidato dessa vez?

Palácio tenta unir os 03
pré candidatos aliados para enfrentar Raimundo Pimentel.
Nesta sexta feira, 20/05
houve no Recife, uma reunião no Palácio do Campo das Princesas com os 03  pré-candidatos da base aliada, estiveram
presentes Valmir Filho, Aluízio e Tião do Gesso.
A intenção do Governo é
unir os três para enfrentar Pimentel. Várias pesquisas para
consumo interno tem preocupado o Palácio, pelo favoritismo de Raimundo Pimentel
e Araripina ser uma cidade de muita importância em Pernambuco.
Por Everaldo Paixão | Leia na Integra>>>
Agora não é mais segredo
para ninguém de que realmente existe um complô organizado e deliberado para
novamente criar um “GRUPÃO” em Araripina, com o claro intuito de combater o
candidato da oposição em Araripina. Vai ter realmente esse “GRUPÃO” em
Araripina? Quem será o candidato dessa vez?
Recebi informações no
começo da semana de que o governador havia marcado a conversa com os três
pré-candidatos no Palácio do Governo, e militantes de um deles já confessam em
redes sociais que a aliança pode acontecer mesmo, e que por determinação
palaciana e dos partidos da base aliada governista, o que estiver pior nas
pesquisas de intenção de votos (isto é o terceiro colocado), apenas deve se
contentar em apoiar os outros dois mais bem avaliados.
Nesse cenário em Araripina
existem três potenciais pré-candidatos da base governista na corrida para as
eleições municipais: Valmir Filho do PMDB, Tião do Gesso do Solidariedade e Aluízio
Coelho do Partido Progressista. Lembrando que Coelho do PP, apoiou o adversário
do Governador Paulo Câmara nas eleições de 2014, o que significa se ele estiver
bem cotado e bem avaliado nas pesquisas para ser o candidato do FRENTÃO, pode
gerar ciumeira e discordância na hora de bater o martelo. Mas tudo pode
acontecer como em 2012, que Eduardo Campos (In memoriam) decidiu por
“unanimidade” quem ia sentar na cadeira da prefeitura em 2013. O resultado
todos nós sabemos.
Agora a disputa por votos
vai começar e podemos novamente ver no mesmo palanque a turma do atual prefeito
ladeando o vice-prefeito Valmir Filho, pré-candidato a prefeito, junto com o
vereador e também pré-candidato Tião do Gesso (SD), e de quebra o médico
Aluízio Coelho apoiando a composição, com a promessa de que pode ter o apoio do
grupo numa provável disputa a deputado. E tudo isso pode se inverter com
Aluízio na cabeça de chapa Valmir na vice, e vice e versa, o que seria menos
traumático para a dupla. Mas tudo pode acontecer. Nada é impossível quando se
fala em PODER.
Conversei na quarta-feira
(18) com o presidente da Câmara – Luciano Capitão (PMDB) sobre essas alianças e
a decisão do governador, e novamente ele reforçou a ideia de que não comunga e
nem se juntará àqueles que desde que rompera e tomara a decisão de ser oposição
no Município, vem tanto fazendo duras críticas, como também é constantemente
atacado e criticado, e que certamente não votará atrás naquilo que tanto
defende como político.
Pagamos pra ver.
O médico Aluízio Coelho
também afirmou que a decisão de não sair candidato e participar de uma coalizão
que determinará em conchavos quem vai ser o candidato indicado por alguém, ele
não comunga, mas também disse que todo apoio é bem-vindo. Pela interpretação do
editor deste, se ele estiver bem nas pesquisas, e ficar definido que será o
candidato do grupo, mesmo que compondo chapa com Valmir ou Tião, ele não se
oporá da decisão.
Agora no momento é cada um
tentando viabilizar a condição decidida pelas bases de apoio ao governo
estadual. Pelo visto, não haverá oposição ao candidato do prefeito e acredito
que entre quatro paredes que também tem eco e sonoridade, o assunto que vaza é
que se tem que bater em alguém, que o faça, mas com o candidato da oposição.
Vamos ver o que acontece
nos próximos capítulos, porque o que falamos aqui, são apenas hipóteses e
especulações que estão principalmente sendo discutidas e debatidas nos grupos
sociais online.
É esse o verdadeiro jogo
da democracia.
RELACIONADOS