Tiroteio mata um dos maiores traficante da divisa do Brasil com Paraguaio Jorge Rafatt e deixa vários feridos

16/06/2016 13h46
O empresário e
narcotraficante Jorge Rafaat Toumani foi executado com vários disparos após
cair em uma emboscada no início da noite de ontem quarta-feira (15),
aproximadamente às 18h45, nas imediações do Mercado Municipal em Pedro Juan
Caballero – cidade que faz fronteira com o Brasil.
Informações do jornal
paraguaio ABC Color apontam que Rafaat seguia em uma Hammer blindada, porém, o
veículo não suportou o calibre das munições usadas e ele acabou sendo atingido
e morto no local.
Equipes da Polícia
Nacional do Paraguai estão no local. O ABC Color afirma que pelo menos sete
pessoas foram feridas, entre elas um agente policial identificado como Jorge
Espinola.

A
Guerra

De acordo com as
informações da Policia Nacional os atiradores usaram um metralhadora .50, que é
usada para abater aeronaves e foi adaptada para ser usada no veiculo, os
policiais informaram que foram disparados mais de 250 tiros.
Seguranças que o
acompanhavam reagiram, fazendo com que houvesse intenso tiroteio na região.
Ainda não há número oficial de mortos e feridos, nem detalhes como ocorreu o
crime que, por enquanto, acredita-se estar relacionado a disputa pelo controle
do tráfico na fronteira entre o Brasil e o Paraguai.
Após o crime, aconteceu
uma grande perseguição policial resultando na detenção de 07 pessoas.
 Jorge Rafatt Toumani – Foto: Radio Amambay AM
Condenação

Conhecido também por
organizar promoções para compras em Pedro Juan – inclusive, com congelamento da
cotação do dólar -, Jorge Rafaat foi condenado por Odilon, juiz da 3ª Vara
Federal de Ponta Porã, em 30 de abril de 2014, quando além dele, outros sete traficantes
da fronteira foram sentenciados.
Rafaat foi condenado a
várias penas que, somadas, totalizam 47 anos de prisão em regime fechado, além
de multa de R$ 403,8 mil. O irmão dele, Joseph Rafaat Toumani, também foi
condenado a pena de 15 anos de prisão e multa de R$ 83,2 mil. Aviões, veículos,
fazendas e outros imóveis também foram sequestrados pela Justiça Federal.

Fonte: Ponta Porã Informa. Foto/divulgação

Sobre o Autor

Allyne Ribeiro