Temos uma folha totalmente comprometida e seguimos orientações da promotoria para não aprovar o concurso, afirma Evilásio Mateus

01/04/2016 17h06
Quem trata as pessoas com
seriedade, quem respeita as pessoas muitas vezes é mal compreendido, disse o vereador Evilásio Mateus no começo do seu discurso na plenária da câmara de vereadores na noite de ontem quinta-feira (31). 
O vereador Evilásio Mateus disse que o controlador do município Rafael Noronha, falou em alto e bom som, que não tem tempo legal para essa gestão realizar o concurso, e que esse concurso é para o futuro prefeito de Araripina realizar.
– “Fizemos um estudo, e estamos vivenciando uma fase onde tem contratados que estão até seis meses sem receber, também temos nossos educadores, pessoas que tem a missão de educar nossos filhos para o futuro, esses estão com os salários parcelado em 4 vezes, e isso nos dá uma preocupação, então para quê contratar mais funcionários se não estamos conseguindo nem pagar os que temos?”, disse Evilásio.
O vereador recordou que quando o projeto chegou à Câmara, o presidente Luciano Capitão pediu que todos agissem de forma para beneficiar o povo, e que deixassem o lado partidário de lado. Foi quando o mesmo pediu ao presidente da comissão que enviasse um oficio para o controlador, para saber como estava a saúde financeira do município, assim saberíamos se era possível ou não realizar esse concurso.

Evilásio também classifica a ansiedade do gestor de querer votar no projeto até o dia (02), é porque a partir desse dia, até seis meses antes e seis meses depois do período eleitoral é proibido à criação de cargos, mas o projeto vai tramitar normalmente, porque legalmente essa gestão não tem como realizar um concurso. Existem normas que a legislação impõe, essas normas tem que serem obedecidas, – “agora tem pessoas que são acostumadas ao improviso e sempre querem dá um jeitinho, acham que é só chegar aqui e tocar a bola pra frente,  quem fizer o gol corre pra galera, tenho visto uma frase, que diz: quem puxa o saco, puxa tudo, inclusive o tapete”.  

Sobre o Autor

Allyne Ribeiro