Uma política para elevar a tributação do 1% mais rico do país, com a transferência de R$ 125 por mês para os 30% mais pobres poderia elevar o PIB (Produto Interno Bruto) em 2,4%. É o que conclui estudo do Made-USP (Centro de Pesquisa em Macroeconomia das Desigualdades da Universidade de São Paulo).

De acordo com o estudo lançado nesta 2ª feira (15.fev.2021), cada R$ 100 transferidos do 1% mais rico para os 30% mais pobres levariam a uma expansão de R$ 109 na economia.

Um dos principais motivos para o aumento do PIB com a transferência de renda é que, segundo a Pesquisa de Orçamentos Familiares do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) de 2017-2018, os 10% mais pobres gastam 87% de suas rendas em consumo, enquanto que o 1% mais rico gasta apenas 24%.

Enquanto uma transferência de R$ 1,00 de renda adicional para os 10% mais pobres resultaria, em média, em uma alocação média de R$ 0,87 em consumo, para o 1% mais rico esse valor seria de apenas R$ 0,24, sendo a maior parte convertida em poupança”, explica o estudo.

Isso ocorre porque, como outras pesquisas já indicaram, a parcela mais pobre da população brasileira tem dificuldades consideráveis de conseguir se manter e comprar itens básicos, como alimentos. “Dessa forma, não é nada surpreendente que uma transferência de renda destinada aos mais pobres tenha um efeito significativamente maior sobre o consumo do que uma que abarque os mais ricos”.

O estudo focou em como o governo brasileiro poderia manter programas de proteção social fiscalmente neutros, ou seja, que não elevassem o deficit público. Os cálculos mostraram que uma expansão do Bolsa Família ou a prorrogação do auxílio emergencial que fosse financiado pela taxação dos mais ricos traria crescimento econômico para o Brasil.

É possível perceber que uma transferência feita do topo para a base da pirâmide é capaz de elevar o nível de consumo agregado e, por consequência, o produto da economia, em um contexto de capacidade produtiva ociosa [desemprego]”, analisa a publicação. Segundo os últimos dados divulgados pelo IBGE, o Brasil conta com 14 milhões de desempregados.

O estudo da USP mostra que se cada pessoa dos 30% mais pobres recebesse R$ 125 com dinheiro de impostos do 1% mais rico, a economia cresceria 2,5%, com possibilidade de criação de empregos e recuperação da economia sem o endividamento do governo. No entanto, o modelo proposto esbarra no teto de gastos, que limita o gasto governamental independentemente do quanto arrecada com impostos.

Poder 360 / Imagem: Reprodução