Tatuador ‘apaga’ cicatrizes de mulheres vítimas de agressão

Uma mulher passou mais de dois anos sofrendo violência dentro de um relacionamento abusivo. Ela casou aos 19 anos e era de sonhos, masas depois do divórcio ficaram as marcas: na mente e no corpo. 

Apesar de fazer terapias e ser acompanhada por médico, as marcas ficaram na pele, que ainda lembravam dos momentos de agressão.

O tatuador Fábio Manson, da Paraíba, lançou uma campanha para substituir, de graça, as marcas deixadas pela violência por uma tatuagem. A mulher voltou a ver seu corpo unicamente como seu.

A campanha foi divulgada nas redes sociais do tatuador pela primeira vez no dia 10 de agosto. Mas ele já cultivava essa doação ao outro muito antes, quando lançou um projeto social reconstrução de aréola, por meio da tatuagem, para mulheres que sofreram de câncer de mama.

A nova campanha faz parte da história de vida de Fábio e de quem o colocou no mundo. A mãe dele sofreu violência doméstica por muitos anos. “É o mínimo que eu posso fazer. É muito gratificante porque é um resgate das minhas memórias, da minha mãe, como se eu pudesse ajudar ela hoje em dia. Hoje eu consigo fazer o que eu não fiz por ela antes”, declarou Fábio.

Para participar da campanha é preciso apresentar o Boletim de Ocorrência da violência sofrida, para comprovar o relato para incentivar as denúncias.

Informações do G1