Pernambuco notificou, nesta quinta-feira (8), o maior número de mortes por Covid-19 em um boletim diário desde julho do ano passado. Foram 82 óbitos relatados, ocorridos entre os dias 24 de setembro de 2020 e 7 de abril de 2021.

Ao lamentar esse aumento nas ocorrências fatais, o secretário de Saúde de Pernambuco, André Longo, alertou que esse cenário deve se repetir nas próximas semanas. 

“A gente ainda vai ter, infelizmente, taxas de ocupação (de leitos de UTI) elevadas nas próximas semanas. E também o número de óbitos (elevado). Eu tenho dois mil pacientes em UTI. Estamos lutando para salvar vidas, mas, infelizmente, muitos que foram pra UTI padecerão. Ainda teremos números de mortalidade muito além do que gostaríamos. Esse número de 82 mortes é muito dolorido”, disse o titular da Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE), em entrevista concedida de forma remota. 

Aceleração

O número de casos confirmados de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) em Pernambuco teve uma subida significativa a partir da Semana Epidemiológica (SE) 7, referente a período entre os dias 21 e 27 de fevereiro. Nesse intervalo citado, foram 879 casos de SRAG, com 371 confirmações para a Covid-19 como origem. 

Um mês depois, na SE 12, entre os dias 21 e 27 de março, o número de casos de SRAG saltou para 1.719, com 850 confirmações de infecção pelo coronavírus Sars-CoV-2. 

Consequência

Três semanas depois do início da aceleração na transmissão do vírus, esse aumento começou a ser refletido nos indicadores de óbitos, que passaram de uma média de 150 por semana para mais de 250.

Na SE 9, foram 266 mortes por SRAG notificadas, sendo 165 delas positivas para a Covid-19. Na SE 10, as notificações subiram para 406, com 284 positivos para infecção pelo coronavírus. A média, desde então, tem se mantido entre 220 e 270 mortes confirmadas para a Covid-19 por semana. 

Como existe um retardo nas notificações dos óbitos – nesta quinta, por exemplo, teve óbito referente ao mês de setembro de 2020 -, os indicadores dessas semanas ainda podem subir. 

Curva

Segundo André Longo, após esse período de aceleração exponencial, Pernambuco vive um platô na curva epidêmica da Covid-19. Isso significa que há um cenário de estabilidade. Porém, essa estabilidade acontece em níveis elevados de novos casos, com mais de 2.500 registros diários de novas infecções, entre casos leves e graves. 

Em 2020, após a aplicação de uma quarentena rígida na Região Metropolitana do Recife (RMR) durante semanas de platô, a curva epidêmica começou a apresentar tendência de queda. Na época, contudo, as restrições, mesmo após o fim da quarentena, eram maiores do que as atuais. 

“Normalmente, após dias de aceleração exponencial, vem um platô, que é onde esperamos estar nesse momento. Dados recentes apontam que temos desacelerado e entrado em platô. Para que patamar vamos voltar (após o platô), ainda é uma incógnita. Após a quarentena de 2020, houve uma queda que permitiu até desmobilizar leitos”, recordou André Longo.

Folha de PE