terça-feira, outubro 19, 2021
InícioAraripina em FocoRubén Aguirre, o Professor Girafales de 'Chaves', morre aos 82 anos

Rubén Aguirre, o Professor Girafales de ‘Chaves’, morre aos 82 anos

Do G1
O ator mexicano Rubén
Aguirre Fuentes, conhecido por interpretar o Professor Girafales em
“Chaves”, morreu nesta sexta-feira (17) aos 82 anos. A informação foi
publicada no Twitter de Edgar Vivar, que fazia o Senhor Barriga no mesmo
programa. “Meu professor favorito, descansa em paz… Hoje meu grande
amigo Rubén Aguirre parte deste plano. Sentirei muito sua falta”, escreveu
Vivar na mensagem. 
Aguirre, que há duas
décadas tomava medição para controlar diabetes e problemas renais, havia
passado recentemente 11 dias internado no México por causa de uma pneumonia.
Durante a internação,
Aguirre usou o Twitter para agradecer aos fãs e chegou a brincar com boatos de
sua morte. “Já começaram os rumores. Digo-lhes que estou vivinho e
tuitando. Taaaa, taaa, ta,ta!”, escreveu em 1º de junho, usando um
bordão do Professor Girafales.
Rubem Aguirre estava
aposentado dos palcos desde o fim de 2007, depois que ele e a esposa, Consuelo
Reyes, sofreram um acidente de carro. Consuelo perdeu as pernas após a batida.
Ela e o marido passaram a usar cadeira de rodas.
Nascido em 15 de junho de
1934, na cidade de Saltillo, no México, Rubén Aguirre Fuentes era formado em
engenharia agrônoma e começou a carreira artística como locutor de rádio e TV.
Seu perfil no Facebook informa que, desde 1976, ele fazia apresentações em
circos interpretando o Professor Girafales.
Aguirre era casado com
Consuelo Reyes desde 1960 e deixa sete filhos, além de netos.
Problemas de saúde e
financeiros
Sem poder trabalhar na TV,
no teatro ou no circo desde o acidente de 2007, Ruben Aguirre passou a
enfrentar também problemas financeiros. Exatamente um ano atrás, em junho de
2015, ele divulgou uma carta em que dizia ter “sérios problemas de
saúde” e pedia apoio para pagar seus gastos.
Intitulado “E agora,
quem poderá me defender?” (referência ao personagem Chapolin), o texto
reivindicava assistência médica da Associação Nacional de Atores do México
(Anda).
“Como muitos de vocês
sabem, nos últimos tempos meu estado de saúde e de minha esposa se debilitaram
(…) Minhas forças se acabaram. Tenho lutado há dez anos por esse direito,
porque há dez anos preciso dele. Tenho 81 anos e, repito, tenho sérios
problemas de saúde”, escreveu.
Na época, uma de suas
filhas, Verónica Aguirre, afirmou à BBC: “Meu pai se aposentou faz nove ou
dez anos, mas nunca pediu ajuda à associação. Ele pagou tudo do próprio bolso,
mas, de uns tempos para cá, tem precisado do auxílio de seu sindicato”.
Dois meses depois, a Anda quitou a dívida, segundo informou o próprio ator.
Em 2014, ele já havia sido
internado no México com quadro de desidratação e anemia. Em 2015, foi
hospitalizado por causa de cálculos na vesícula e problemas na coluna. Mas os
cálculos não puderam ser removidos na época justamente por causa de uma dívida
hospitalar.
‘Não temo a morte. Temo
estar morrendo’
Em agosto de 2015, dois meses
depois da carta aberta, Rubén Aguirre comentou seu delicado estado de saúde em
entrevista ao canal Telemundo, emissora mexicana nos Estados Unidos.
Fumando charuto, afirmou:
“Não estou totalmente bem: uso uma cadeira de rodas, não posso caminhar,
não tenho força nas pernas… Não temo a morte. Temo estar morrendo. Isso, sim,
me dá muito medo”.

Aguirre disse que um dos
filhos de Roberto Bolaños (1929-2014), criador e protagonista de
“Chaves”, teria oferecido ajuda. Os outros colegas de elenco, no
entanto, não teriam feito o mesmo. “Nem Carlos [Villagrán, o Quico], nem
Maria Antonieta [de las Nieves, a Chiquinha], nem Edgar [Vivar, o Senhor
Barriga], ninguém se aproximou para me dar apoio. Mas eu entendo”,
declarou.

RELACIONADOS
- Advertisment -spot_img