Quizila ‘paroquial’ expõe fragilidade no comando do PSB em Pernambuco

Por - 18/01/2016
A desistência do
governador de Pernambuco Paulo Câmara em visitar Petrolina nesta segunda feira
(18), para acompanhar o lançamento do Chapéu de Palha da Fruticultura Irrigada
2016, expõe algo mais que uma simples confusão de agenda: mostra a clara
fragilidade do governador em administrar o ambiente político dentro do PSB,
partido que tem o seu comando. Ou deveria ter.
Paulo Câmara não quis se
meter na quizila ‘paroquial’ entre os deputados Lucas Ramos e Miguel Coelho,
quando deveria bater a mão na mesa. A falta de habilidade de Câmara em conduzir
a política não poderia contaminar o ambiente de gestão do governo. Política é
política, gestão é gestão.
Claramente a condução
política do Governo de Pernambuco é fraca, mas será que não existe uma voz que
se levante e diga ao governador que ele teria que capitalizar em um dos raros
momentos em que o Sertão é lembrado em sua administração litorânea?
Se o governador não
administra nem uma briga de novatos no PSB, como vai conduzir esse partido?

Por isso que, depois da
morte de Eduardo Campos, Pernambuco – berço do PSB – virou coadjuvante da
legenda no país.  (Fonte: Carlos Britto)