Após acusação de assédio sexual, presidente da CBF é afastado por 30 dias do cargo à pedido do Conselho de Ética da entidade.

Depois de muita pressão e polêmicas, Rogério Caboclo foi afastado da presidência da Confederação Brasileira de Futebol. A informação foi dada inicialmente pelo Uol e pelo GE e posteriormente confirmada pela própria CBF. O dirigente foi afastado inicialmente por 30 dias, a partir deste domingo (06), por uma decisão do Conselho de Ética da entidade, com possibilidade de prorrogação. Futebol ao vivo ou quando quiser? Clique aqui e teste o DAZN grátis por um mês!A decisão acontece após Caboclo ser acusado de assédio moral e sexual por uma funcionária da CBF, em denúncia revelada também pelo GE. Em um e-mail, o diretor de governança e conformidade da entidade, André Megale, recomendou a Rogério Caboclo se licenciar do cargo por tempo determinado, para “comprovar sua inocência” — segundo publicado pelo mesmo veículo (veja a íntegra do teor do e-mail abaixo) –, fato esse que também teria motivado o afastamento de 30 dias.”A CBF informa que recebeu na tarde deste domingo, 6, decisão da Comissão de Ética do Futebol Brasileiro suspendendo temporariamente (pelo prazo inicial de 30 dias) o Presidente Rogério Caboclo do exercício de suas funções. A decisão é sigilosa e o processo tramitará perante a referida Comissão, com a finalidade de apurar a denúncia apresentada”, informou a CBF em comunicado oficial.

Ainda de acordo com o ge, na denúncia ao Conselho de Ética, a funcionária da CBF relatou que Caboclo fazia insinuações e perguntas inoportunas e que a constrangia na presença de outros diretores, todos homens. A defesa do dirigente nega as acusações.