O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) fez duras críticas ao governadores dos estados que estão pagando auxílios a população com recursos próprios, como é o caso do Piauí que pagará R$ 200,00 reais por seis meses a famílias pobres que não foram incluídas nos programas de transferência de renda federal. A afirmação foi feita nessa sexta-feira (12/03) a apoiadores quando ele saía do Palácio da Alvorada.

Segundo o presidente, essas ações assistencialistas só contribuem para deixar a população mais pobre e dependente cada vez mais do Estado. “Pessoal vai devagar, devagar, tirando seus meios, tirando sua esperança. Tirando seu ganha pão. Você passa a ser obrigado a ser sustentado pelo Estado. Você viu que tem governador agora que está falando agora em auxílio emergencial. Querem fazer o Bolsa Família próprio. Quanto mais gente vivendo de favor do Estado, mais dominado fica esse povo”, disse.

A afirmação feita pelo presidente tem uma fundamentação lógica baseada nos ideais da direita neoliberal. No fundo realmente ele tem razão em relação a precarização de renda entre os mais pobres, tem muita gente que vive apenas do pouco que recebe do governo federal e tem medo de perder esse pequeno valor que recebe devido as próprias regras dos programas, além do mais a falta de trabalho em algumas regiões e a proibição de assinar a carteira para quem é beneficiário deixa a população mais carente e a baixa renda prevalece. Por outro lado, o presidente está meio em alerta depois da volta do pai da pobreza o presidente Lula, digamos que ele está com medo que o PT volte ao poder e sabe que a grande base eleitoral da esquerda são os dependentes do Estado como bem deixa claro o presidente em suas palavras. Com Lula livre a tendência é que o presidente e sua equipe de governo busque mais a cada dia conscientizar o povo sobre a necessidade de ter autonomia e de não viver somente da transferência de renda dos programas sociais.

Redação Araripina em Foco / Política Fabrício Feitosa / Imagem: Reprodução