Cansado de tantas críticas infundadas da oposição de Araripina que virou especialista em criticar tudo que vê pela frente, o prefeito Raimundo Pimentel (PSL) resolveu reagir, e direcionar informações sobre os recursos federais que chegam na sua gestão por várias fontes como: emendas parlamentares, Codevasf, secretarias, projetos de governo, entre outros meios. Segundo Pimentel, é preciso ter nome limpo e grupo político bem articulado para conseguir recursos. “Se Araripina está em pleno desenvolvimento, é porque fizemos desde o começo da gestão, importantes parcerias para conquistar recursos, obras e projetos pra cá. E iremos continuar fazendo.” Declarou Pimentel.

Raimundo Pimentel tem um leque amplo de alianças, começando pelo presidente da Câmara Evilásio Mateus, o ex-senador Armando Monteiro, o deputado Federal Luciano Bivar (presidente nacional do seu partido PSL), além das parcerias com o dep. Federal Fernando Filho e o senador Fernando Bezerra, o que torna um time politicamente musculoso.

Enciumada com a gestão atual que vem fazendo uma administração eficiente, principalmente com os pagamentos dos servidores (efetivos e comissionados), fornecedores, prestadores de serviços, impostos federais e parcelamentos de débitos fiscais das gestões passadas, a oposição, claro com exceções, sempre procura um motivo para criticar o gestor e sua administração.

Acontece que quando criticamos algo, é necessário apresentar uma solução, mas é notório que a atual oposição de Araripina não demonstra sequer um projeto como base de direcionamento de como seria sua gestão. Pior que isso, silenciam com relação aos débitos encontrados pela gestão atual, e o que teve que fazer para organizar a casa nesses últimos três anos e meio.

Além do que, criticam a gestão na questão de estradas rurais, mas se calam quando o assunto são as rodovias estaduais, de responsabilidade do Governo do Estado, administrado por Paulo Câmara, aliado tanto de Tião do Gesso e Aluísio Coelho, quanto da deputada estadual Roberta Arraes e Alexandre Arraes.

Outro grande problema é a má gestão da COMPESA em nosso município e não se ouve uma palavra da oposição sobre o assunto da falta d’água, quando a população é quem fica sofrendo as consequências.

Portanto, é fácil perceber que a oposição ao grupo do prefeito Pimentel é faminta para criticar, mas silencia quando os problemas são seus, e de seus aliados.

A grande verdade é que a oposição hoje formada por Tião do Gesso, Aluísio Coelho, Alexandre Arraes, e a deputada Roberta Arraes, estão se acotovelando para saber quem manda no grupo, e assume a liderança para trançar um plano político que necessariamente passa pelas eleições de 2020 com vistas às de 2022. A dúvida é, será se essa união oposicionista de hoje, irá continuar junta até 2022 com Tião do Gesso, Aluízio, Roberta e Alexandre Arraes no mesmo palanque em busca dos mesmos objetivos?

Araripina precisa evoluir principalmente na forma de fazer política partidária, a forma tradicional de criticar por criticar sem argumentos que estejam em harmonia com as reais demandas da população, ou criticar simplesmente para diminuir os adversários para ganhar vantagem, estão descartadas da política moderna e coerentemente eficaz.

A população de Araripina está amadurecendo e sabe diferenciar a crítica construtiva séria daquela sem credibilidade.

Por José Portnalli Alencar/Blog Casa de Abelha