Prefeito de Bodocó alega ‘crise’, demite funcionários, mas pede para que trabalhem por um tempo determinado voluntariamente

Por - 19/01/2016
A prefeitura municipal de
Bodocó através do prefeito Danilo Rodrigues que justifica a crise nacional como
principal problema que impede a administração de trabalhar para o povo,
encontrou nas demissões a saída para o problema. O prefeito ainda não conseguiu
explicar o que faz com as verbas que entram na prefeitura, já que a falta de
remédios e material hospitalar é rotineiro, pagamento dos salários em atraso,
merenda escolar escassa e meses de atraso do pagamento do transporte escolar
sem data para regularização sáo alguns dos fatores negativos da atual gestão.
Nesta segunda (18),o
prefeito reuniu funcionários contratados, prestadores, comissionados e
locadores de imóveis para pedir a compreensão de todos em detrimento a crise
que afeta o município. O prefeito pediu ainda para que todos se doassem
gratuitamente à prefeitura no período de fevereiro a abril de 2016 e dispensem
seus salários e pagamentos dos contratos de locadores que têm prédios alugados
à prefeitura. Com essa justificativa o prefeito Danilo exonera uma quantidade
expressiva de servidores em Bodocó.
A atitude do prefeito é
tratado por correligionários e o candidato a vice-prefeito Dr. Otávio como uma
ação de coragem para o enfrentamento à crise. A proposta de Danilo é que esses
funcionários que serão exonerados agora voltarão em abril, garantindo assim os
seus empregos de volta.
O pretexto da crise no
Brasil é a arma secreta para todos os prefeitos que não estão conseguindo
honrar os compromissos básicos dos municípios. Em 2015 a prefeitura de Bodocó
recebeu na conta do FPM que é o maior gargalo para os prefeitos, o valor de R$
16.608.386,04 (Dezesseis milhões, seiscentos e oito mil, trezentos e oitenta e
seis reais e quatro centavos).
O FUNDEB, por sua vez,
representou na receita o valor de R$ 22.032.528,03 (Vinte e dois milhões,
trinta e cinco mil, quinhentos e vinte e oito reias e três centavos)
Valor total dos fundos
recebidos em 2015 é de R$ 38.674.315,96 (Trinte e oito milhões, seiscentos e
setenta e quatro mil, trezentos e quinze reais e noventa e seis centavos).
Vale esclarecer que a
receita decorrente da área de saúde não está exposta nesta matéria.
A pergunta que todos
querem saber é: Se os principais serviços em Bodocó estão suspensos e são escassos
durante os anos de administração de Danilo Rodrigues, como justifica o prefeito
as ações decorrentes dessas verbas gastas no seu mandato, já que tudo falta em
Bodocó?
O prefeito Danilo
Rodrigues também deixa de presente para seus eleitores e prestadores de
serviços um atraso em várias áreas de até 6 meses sem pagamento, inclusive,
dois anos sem pagar o Um Terço de Férias de grande parte dos funcionários da
saúde e limpeza pública.
O eleitor que votou em
Danilo imaginando uma mudança e inovação nos destinos administrativos do
município, dizem hoje que se arrependimento matasse, todos morreriam.

Lusimar Lima