Prefeito Alexandre Arraes é indiciado por formação de quadrilha e seis funcionários públicos da prefeitura de Araripina foram afastados

03/06/2015 15h54
A Justiça Federal em Pernambuco,
afastou, por 180 dias, 6 funcionários
públicos da prefeitura de Araripina
. A medida visa evitar interferência da
coleta de provas da operação “Paradise”,
que apura indícios de desvio de recursos do Ministério da Educação (MEC) que
deveriam ser destinado a obras na cidade.
14 pessoas foram presas no
dia 7 de Maio pela Polícia Federal e Controladoria Geral da União.
Todas elas foram liberadas
após prestar depoimento na sede da PF em Salgueiro.
Nome
dos afastados

Os afastados foram, Cybele Arraes (Secretária de Educação),
Ricardo Arraes (irmão do Prefeito), Sandra Mara Bihum e Rosa Suleymam (Assessoras
Juridicas do Gabinete do Prefeito), Ana
Maria
(ex Secretária de Finanças) e o servidor público César Gondin.
Na manhã desta
quarta-feira (03), um oficial de justiça se dirigiu até a sede da prefeitura
municipal de Araripina para intimar os indiciados e a procuradoria do município.
Segundo as primeiras
informações passadas ao Araripina em Foco, é de quer o primeiro inquérito
apresentado pela policia, o prefeito de Araripina Alexandre Arraes, já está
indiciado nos Artigos 288 (Formação de Quadrilha), 319 (Prevaricação)- ambos do
Código Penal Brasileiro- e Artigo 92 da Lei de Licitações.

 A apuração do inquérito e investigação são apenas dos desvios da Creche Otávio Pereira de Melo no distrito de Lagoa do Barro, Mãe Corina Vila Serrânea e Quadra da escola Maria Luzanira Ramos.

Sobre o Autor

Allyne Ribeiro