Pré-candidato Aluísio Coelho, garante que dessa vez nada vai atrapalhar sua candidatura

09/03/2016 13h23

“Ninguém atira pedra, em
árvore que não dá frutos”

Sobre como ele ver o
cenário político atual no município, ele categoricamente disse enxergar pela
ótica do povo. Confidenciou que as pessoas não acreditam mais em político, mas
que as transformações sociais vão sempre acontecer através da política. O
cenário hoje é nebuloso, porque as pessoas tacham você de aproveitador,
corrupto, mas o nosso sentimento é de inovação e de querer renovação.
Para o médico
pré-candidato Aluísio Coelho os projetos para a saúde, além de incluir o
Hospital Municipal, é preciso aumentar os números das Estratégias de Saúde da
Família (ESFs), e funcionando claro, ressaltou que está mais do que na hora de
Araripina levantar a bandeira de um hospital municipal, e que essa história de
que vai virar um elefante branco, para Coelho não é nada disso. Para ele é
preciso trabalhar a atenção primária, fazer ambulatório de pequenas cirurgias,
criar um cronogramas para atendimentos, e lembrou que apesar de muitas
críticas, ele mesmo montou a sua unidade móvel e tem assistido as pessoas nas
suas maiores necessidades, e isso só prova, segundo ele, que dar para fazer
esse trabalho dinâmico nas comunidades, nos bairros, nas serras, sítios,
distritos, só basta querer, afirmou. 
Falando dos recentes
ataques que tem sofrido e perguntado se é o reflexo já do incômodo que está
provocando devido ao seu crescimento perante a opinião popular, Coelho lembrou
que faz seis anos que mora em Araripina e sempre cultivou a boa convivência e
que evita sempre falar (mal) das pessoas, mas que “ninguém atira pedra, em
árvore que não dar frutos”, e que isso é reflexo sim, do seu crescimento
político. – O meu objetivo é discutir os problemas de Araripina, se alguém
prega o contrário, é porque quer fugir desse foco, ressaltou.
Sobre sua decisão de sair
candidato, se outros motivos não o levarão a desistir ou fazer acordos para ele
assumir outra função, ele foi objetivo em dizer que “só Deus impede a minha
candidatura”. A questão de ser vice, de querer cargo, para Aluísio não funciona
porque não é pré-candidato para barganhar cargos. – O que me fez enveredar para
esse caminho, primeiro foi a minha vocação política, segundo: por entender que
Araripina precisa de sangue novo, nova política, novos quadros.
Sobre um plano de governo
para colocar no papel que não seja mirabolante, o médico foi também pragmático
e avisou que já está sendo elaborado esse projeto, que visitou municípios com
exemplo de administração que deram e estão dando certo, a exemplo de Petrolina,
e que essa montagem será o espelho para adequar a nossa realidade. – Nós
fazemos tudo de forma planejada e elaborada, garantiu.
Sobre as coalizões para
fortalecer o seu nome, ele lembrou que pretende primeiro se unir ao povo, mas
que sabe que não vai ser hipócrita em dizer que não vai aceitar apoios, essa é
a arte de somar, mas que é preciso além de agregar, que essas pessoas estejam
de acordos com o projeto que ele defende.
Sobre ser tachado de
aventureiro, Coelho lembrou que qualquer forma de preconceito deve ser
abominada e, que construiu além de família no Município, fez investimentos,
seus filhos são educados em Araripina, e que esse tipo de atitude
discriminatória, se estende a todos os aventureiros que vieram investir e fazer
expandir o crescimento da cidade. Araripina deve ser uma cidade cosmopolita.
Araripina para o médico, não pode ser um “Muro de Berlim”.
Com relação a aventureiro,
respondendo a uma política renomada que o tachou assim, segundo ele, foi um
elogio e citou Moisés e Jesus Cristo como os grandes aventureiros, e chamou o
povo de Araripina para embarcar nessa aventura, rumo a uma nova terra
prometida.
Sobre a coalizão com o
empresário e ex-prefeito Valdeir Batista a conversação existiu e que o
veredicto para o acerto vai partir dele.
Sobre uma pesquisa que
comprova um empate técnico com Raimundo Pimentel e Valmir Filho, e que o coloca
na briga e no páreo nas eleições em 2016, o médico preferiu desconversar. Mas
acredita na imensa repercussão que ganhou o seu nome na política local.
Para o médico Aluízio
Coelho é preciso aproveitar os infinitos potenciais que Araripina tem, como a
mandiocultura, caprinocultura, apicultura, agricultura (familiar, inclusive)
aproveitar os bons ventos da energia eólica, trazer de volta o título de
Princesa do Araripe, e é por isso, que ele se coloca com força de vontade e
competência nessa condição de defensor de seu nome para 2016.

Sobre equipar e perfurar
poços no Município, que tem conseguido através da Codevasf, o médico afirma que
podem até chamar de obras eleitoreiras, mas para ele é uma conquista para as
comunidades que necessitam e que prova que sem mandato tem sido dessa forma,
imaginem sendo mandatário. – Estou abrindo às portas para trazer melhorias para
Araripina, finalizou.

O Grande Jornal | Por Everaldo Paixão

Sobre o Autor

Allyne Ribeiro