Pesquisa comprova eficácia de óleos de orégano e de cravo no combate ao Aedes

14/03/2016 16h30
Da ABr
Uma pesquisa da Pontifícia
Universidade Católica (PUC) de Minas Gerais e da Fundação Ezequiel Dias (Funed)
atestou a eficiência do uso dos óleos de orégano e de cravo para matar as
larvas do mosquito Aedes aegypti. O próximo passo do estudo será desenvolver a
fórmula para um larvicida, que será colocado à disposição do mercado.
Em contato com o
criadouro, os óleos matam as larvas em até 24 horas. A pesquisadora Alzira
Batista Cecílio espera que até o meio do ano a formulação já esteja pronta para
ser apresentada à indústria. “Produto natural não pode ser patenteado.
Então, só após a formulação do larvicida, poderemos patentear e iniciar as
negociações com as empresas”, afirma.
O estudo é um
desdobramento de outra pesquisa mais ampla, que testa o uso de produtos
naturais para combater diversos tipos de vírus. “Nesse cenário preocupante
em relação ao vírus da dengue, nós decidimos começar a estudar também plantas
que pudessem eliminar o vetor”, acrescenta Alzira. Além da dengue, o
mosquito Aedes aegypti é o transmissor do vírus Zika e da febre chikungunya.
O orégano e o cravo foram
selecionados após análise de mais de 20 plantas. O óleo é extraído com o uso de
equipamentos específicos. Por essa razão, não adianta por exemplo colocar
folhas de orégano ou cravo nos vasos das plantas.
Neste momento, está sendo
feito o estudo fitoquímico, para detalhar a composição química dos óleos.
Futuramente, está previsto também o teste desses óleos no combate a outras
fases da vida do mosquito, o que pode levar ao desenvolvimento de um inseticida
aerosol ou um repelente. A pesquisadora alerta, porém, que esses produtos são
apenas ferramentas auxiliares para combater o Aedes. “Eliminar os
criadouros continua sendo o ponto chave”, reitera.
Larvicida degradável
Segundo Alzira Cecílio, o
objetivo é desenvolver um produto que não contamine o meio ambiente, já que a
maioria dos criadouros de larvas está espalhada. Elas podem ter contato com
animais e até água voltada para o consumo humano, como por exemplo nas caixas
d’água. “Queremos um larvicida que seja degradado rapidamente e não
contamine a água, ao mesmo tempo em que tenha boa eficácia. A maioria dos larvicidas
usados hoje exige algum cuidado na aplicação e deixa a água com alguma
toxicidade”, explica.
No mês passado, uma nota
técnica da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco) gerou polêmica ao
criticar os larvicidas usados atualmente. O governo do Rio Grande do Sul chegou
a suspender o uso do Pyriproxifen, ao considerar que o produto poderia estar
relacionado à ocorrência de microcefalia em bebês. A própria Abrasco negou que
tenha colocado essa possibilidade em questão.

Em entrevista à Agência
Brasil, o coordenador do grupo de saúde e ambiente da Abrasco, Marclo Firpo,
explicou que foi um mal-entendido, mas reafirmou que a entidade é contra o uso
de agentes químicos na água potável e que danos à saúde decorrentes desses
produtos não estão descartados. “Consideramos um contrassenso sanitário,
um absurdo a colocação de veneno larvicida na água potável”, disse.

Sobre o Autor

Allyne Ribeiro