Diante do questionamento de um telespectador homossexual e católico em dúvida se poderia frequentar a igreja e comungar, o sacerdote criticou o posicionamento da artista, repercutido pela imprensa e nas redes sociais. “Uma pastora falou aí que a Aids está relacionada ao fato de existirem homossexuais. Você acredita nisso? Que nós escutamos uma pessoa falar sobre isso?”, indignou-se diante das câmeras.

“Uma pessoa que se diz líder religiosa falar que a Aids é culpa dos homossexuais? Isso é burrice misturada com preconceito”, continuou. “Burra, sim, porque basta ler qualquer pesquisa científica e vai ver que não existe nenhuma relação da homossexualidade com a Aids.”

Ana Paula Valadão acha que a doença que já matou mais de 32 milhões de homens e mulheres desde o início da década de 1980 resulta do “pecado” da homossexualidade. “Taí a Aids para mostrar que a união sexual entre dois homens causa uma enfermidade que leva à morte e contamina as mulheres, enfim… Não é o ideal de Deus”, disse na entrevista de 2016, viralizada dias atrás.

Padre Juarez afirmou que esse tipo de inverdade dita em público afasta as pessoas da prática religiosa e faz com que os gays sejam vistos como “doentes” ou “pecadores” por quem acredita ter o direito de julgá-los usando o nome de Deus.

“Preconceito: talvez seja essa a doença que nós precisamos combater. Porque o preconceito é uma doença mais feia, mais horrível, do que a própria Aids”, concluiu o religioso mineiro, de 54 anos, que participa de outros dois programas na Rede Vida: Rosário da Vida e Palavra do Cardeal.

Portal Terra / Imagem: Reprodução