Padre Malan se despede da Paróquia Imaculada Conceição, depois de cinco anos de Gestão, confira a entrevista

Por - 19/01/2016

“Quem é cristão, recebe o
mandato de Jesus Cristo de Transformar o Mundo. A minha missão em Araripina foi
cumprida”, declarou o vigário
         O Padre Domingos Malan, natural de
Parnamirim, Sertão de Pernambuco, conversou com a equipe do GJ e AF. Relatou
que durante cinco anos que ficou na gestão da Paróquia Imaculada Conceição a
comunidade sempre atendeu seus pedidos.
        Nos contatos com as comunidades e as
pastorais tudo foi colocado em prática pelas as mãos dos fiéis, que em
princípio ouve muito trabalho para que essa comunidade o escutasse, e com os
exércitos e as práticas, comunidades e líderes animadores, os trabalhos
aumentaram e deu um pouco de fôlego para ele, lembrou o padre.
       Sobre sua missão no Município se estava
cumprida o padre enfatizou que, foi muito profícuo, grandioso, que contou com
muita gente, principalmente as pessoas muito simples, que se tornaram grandes
no fazer, no atender, desempenhar e por isso a missão dele tem essa
reciprocidade. Para ele foi uma missão na maior paróquia da diocese de
Salgueiro, e que a comunidade da Imaculada Conceição superou em trabalho, nos
frutos que ficaram, que vão permanecer, porque quem foi preparado para servi a
Paróquia, lembrou, não foi só enquanto ele estivesse no comando, e eles foram
preparados para serem cristãos em todos os tempos. Para o Padre Malan a missão
foi cumprida, mas ela foi muito cumprida, (fazendo um trocadilho), longa,
extensa, que exigiu muito dele, mas que dar uma sessão de dever realizado, o
que se torna muito gratificante, comemorou.
      O Padre quando foi lembrado do seu legado
(na gestão da comunidade Imaculada Conceição), com os trabalhos da pastoral, no
terço dos homens, a construção da Igreja no Bairro Alto da Boa Vista, ele foi
pragmático em afirmar que a Igreja que ele acredita é a Igreja do Povo de Deus,
que os fiéis estando conscientes do seu papel, trilhando o caminho de Cristo, a
oura parte de comunidade, de Igreja física, essa se consegue com mais rapidez.
O que se torna mais fácil quando as pessoas são articuladas, participativas,
caso contrário esse templo, vai levar muito tempo para ser erguido, enfatizou.
      Em Araripina Padre Malan pontuou que
foram reunidos os líderes, com um grande número de ministros da palavra, que
levava a os ensinamentos de Deus quando ele não podia levar, o que fortaleceu o
vínculo e transformar a Paróquia Imaculada Conceição em uma rede de
comunidades. Uma vez por mês acontece reunião com representante de cada
comunidade. A paroquia se tornou um grande canteiro de obras com os trabalhos
em mutirão, pela fé e pela gratuidade. A comunidade católica em Araripina é
consciente do seu papel. A festa da padroeira Imaculada Conceição neste ano
provou ainda mais a devoção do povo de Araripina a sua protetora. Não me
conformo com aquilo que já tem e se diminui, tem alguma coisa errada, se fica
igual ou estaciona também, então tem que ter algo novo, detalhou Padre Malan.
Por isso a festa ano a ano foi cada vez maior, se envaideceu. Lembrou que o
Bispo Dom Magno da diocese e os celebrantes, ficam sempre encantados com a
procissão do dia 08. Identificou a alegria e a satisfação do povo em cada rua
que a procissão passa, com os sinais da fé, rua preparadas com desenhos,
altares improvisados com mesa, com a santa e velas acesas, flores, a Praça da
Matriz lotada de fiéis.
       Indagado sobre se ainda existe o
banquinho reservado na Igreja, o padre com muito humor responde que sim. Para
ele além de cultura cada ser humano é distinto, mas que é preciso corrigir e
conscientizar que as famílias não pode preservar o lugar do pai, da mãe na casa
que é de todos. E que tem pessoas que chega antes de uma missa, e quer reservar
o banco todo para a família. É preciso ser um recepcionista cristão.
       O Padre Malan foi transferido para
cidade de Granito, aqui no sertão do Araripe, e foi por uma escolha pessoal.
Reportagem Everaldo Paixão
de o Grande Jornal | Araripina em Foco