PACTO PELA A VIDA OU PACTO PELA SOBREVIVÊNCIA?

Por - 17/06/2016
Dois jovens envolvidos em
assaltos na cidade de Araripina foram encontrados mortos em rituais parecidos.
Um deles de 22 anos foi encontrado morto, na segunda-feira (9), todo perfurado
de arma branca e com a cabeça totalmente estraçalhada a pedradas. Os suspeitos
do crime são também prováveis protagonistas da onda de assaltos que vêm
acontecendo constantemente em Araripina. Apenas em uma noite no Bairro do Alto
da Boa Vista, um dos mais populosos da cidade, oito assaltos consecutivos
aconteceram na comunidade e a população está em alerta porque a cada instante
os grupos do whatsapp, os portais de notícias, são informados de mais  ação criminosa que colocou Araripina em
polvorosa.
Terça-feira (10), um salão
de beleza na Rua 11 de Setembro foi assaltado por vários bandidos. Três
suspeitos foram presos e, segundo a Polícia Militar foram encontrados com eles
8 gramas de maconha, uma arma caseira, dois celulares e outros objetos, frutos
de roubos. Um menor de 15 anos também estava envolvido no crime. A proprietária
contou que a todo o momento o bandido empunhava uma arma e a ameaçava
pressionando a mesma sobre a sua cintura e que, forçou dois clientes a entregar
os celulares e o dinheiro. Ela também foi obrigada a entregar o celular e o
lucro do dia.
Assaltos de motos, de
celulares, de lojas, hoje mesmo dia (18), um supermercado e uma drogaria foram
também alvo dos bandidos que criaram na cidade uma onda de terror e arrastão, e
a tensão tem provocado na população uma insegurança como nunca visto na
história do Município. Não existem mais horário para os crimes, os furtos e a
delinquência, seja de manhã, de tarde ou noite, Araripina está novamente refém
da bandidagem.
O empresário Juvenal
Ângelo dos Reis, o “Lunga”, dono de postos de gasolina na região, foi assaltado
na segunda-feira (16), em frente ao Banco do Brasil, no centro da cidade. O
empresário foi rendido por vários homens fortemente armados e encapuzados,
quando a vítima ia entrando na Agência Bancária para efetuar depósito.
Em entrevista em uma
emissora de Rádio no começo do ano, a delegada Katianna Muniz da 24ª Delegacia
Seccional de Polícia Civil – DESEC – de Araripina falou que é preciso uma
preocupação maior dos governantes com a segurança pública, principalmente em
deslocamento de efetivo que tem sido para ela na 24ª uma necessidade mais que
urgente. Segundo a delegada, são 05 delegados para atender 10 municípios, uma
delegacia de homicídios e a 24ª que administra todas as outras.
Fala-se em 90 policiais
militares para cobrir todo o município, desde os distritos, povoados, toda zona
rural e zona urbana, e o Governo de Pernambuco e a Secretaria de
Desenvolvimento Social – SDS, e até agora não deram sinal de que vão resolver o
problema de imediato. Os vereadores informaram que já estiveram no departamento
por duas vezes acompanhados de outros parlamentares da região, cobrando
urgência na solução das prioridades relacionadas à segurança pública, e até
agora nem uma resposta positiva veio do Governo.
A criminalidade tomou
conta da cidade
A sociedade põe a culpa
nas autoridades
(Trecho da Música de
Gabriel – O Pensador)
Para o deputado Sílvio
Costa Filho (PRB), “O governo não tem a humildade de reconhecer a necessidade
de reformular o Pacto pela Vida para tentar conter o aumento de violência no
Estado”.
Já para Waldemar Borges
(PSB) líder da bancada governista, tentou minimizar o cenário, inclusive
afirmando que o Estado vem mantendo o combate à violência, em níveis melhores
de que alguns estados ricos.
Enquanto isso, nós que não
estamos morando no jardim de flores do senhor Borges, e nem estamos acreditando
no tal Pacto pela Vida, mas pelo Pacto de Sobrevivência, com medo de sair de
casa depois das 18 horas, e de madrugada, viramos reféns da bandidagem local e
flutuante que aterroriza nossa Araripina.
O efetivo policial é
pequeno, as viaturas parecem carros da série Fred e Barney, e enquanto isso, as
viagens ostentativas dos representantes municipais, provam que além de um governo
inoperante do PSB no Estado, temos um governo que sempre foi uma fraude, à
frente de uma terra que hoje está totalmente abandonada pelos poderes públicos
e com a criminalidade assustando a sua população.

Estamos vivendo
perigosamente numa cidade que antes era pacata. A certeza da impunidade tem
deixado a sociedade com medo, e os bandidos mais audaciosos.