No Recife, servidores recusam proposta da Prefeitura e continuam em greve

03/03/2016 21h18
Os servidores municipais
do Recife rejeitaram a proposta da Prefeitura de reajuste de 10,67% aos
funcionários municipais que ganham menores salários. A categoria continua em
greve por tempo indeterminado e se reuniu nesta quinta-feira (3) em mais uma
assembleia realizada pátio da Câmara Municipal do Recife.
Segundo o Sindicato dos
Servidores e Empregados Públicos da Administração Direta e Indireta da
Prefeitura do Recife (Sindsepre), ao contrário do que foi divulgado pela PCR, o
aumento de 10,67% para os servidores com vencimento-base de até R$ 1.700 atinge
apenas os trabalhadores do 1º nível das tabelas funcionais. A partir do 2º
nível, o aumento será apenas de R$ 1 em relação ao anterior. Na prática, ainda
segundo o sindicato, funcionários com mais anos de casa vão receber reajuste
menor. Dessa forma, o prefeito Geraldo Julio não valoriza o funcionalismo
municipal, destruindo toda luta sindical que culminou na construção dessas
tabelas funcionais.
A categoria também
criticou a manutenção da proposta anterior para os demais servidores que
recebem mais que R$ 1.700, com reajuste condicionado ao aumento na Receita
Líquida Real (RLR) do município. Uma análise realizada bimestralmente vai
informar se houve ou não crescimento da RLR. Assim, a categoria pode ter de
1,5% até 7,5% de aumento neste ano de acordo com uma tabela pré-estabelecida.
Porém, segundo o sindicato, não existem garantias do cumprimento desse
percentual, tudo depende da RLR. Há possibilidade inclusive de não ter reajuste
nenhum.

O Sindsepre e demais
sindicatos municipais reivindicam 13,19% no aumento nos salários e mais 18,53%
para o vale refeição. Os índices buscam repor as perdas salariais diante de uma
inflação em 2015 na ordem de 10,73%. Além de reajuste, os/as servidores/as
pedem melhores condições de trabalho.

Sobre o Autor

Allyne Ribeiro