O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), gravou um vídeo em apoio ao jornalista Glenn Greenwald, do site The Intercept Brasil, defendendo o sigilo de fontes jornalísticas, que é garantido pela Constituição.

O vídeo foi divulgado nesta terça-feira (30/07) pela jornalista Mônica Bergamo, da Folha de S.Paulo. Segundo ela, a gravação foi feita a pedido do Intercept para ser exibida em um ato em solidariedade a Glenn, realizado pela Associação Brasileira de Imprensa, nesta terça-feira.

“No país, no nosso Brasil democrático, no nosso Estado democrático de direito, o sigilo da fonte é um direito constitucional. A partir daí, temos que discutir, de fato, um hacker que pegou de forma ilegal, ilícita, criminosa, dados de terceiros”, diz Maia no vídeo.

Desde o começo de junho, o Intercept tem divulgado reportagens com mensagens atribuídas ao ex-juiz e atual ministro da Justiça, Sergio Moro, e a integrantes da força-tarefa da Lava Jato, entre eles, o procurador Deltan Dallagnol. Nos chats, Moro parece coordenar ações da operação.

Nesta semana, depois de a PF (Polícia Federal) prender quatro suspeitos de hackearcelulares de autoridades, incluindo Sergio Moro– o presidente Jair Bolsonaro disse que Glenn não se encaixa em uma portaria publicada pelo Ministério da Justiça –chefiado por Moro– e que poderia pegar “uma cana” no Brasil.

Ainda na gravação, o presidente da Câmara defende punição a quem tenha invadido os celulares de autoridades, mas não ao jornalista. “Um agente público entregou uma informação sigilosa a um meio de comunicação. Esse meio de comunicação deu divulgação. Ele está protegido pelo sigilo”, afirma. “Não é a favor do Glenn, mas é a favor da nossa liberdade de expressão”, acrescenta.

Maia chegou a ser apontado como uma das autoridades que teve o celular invadido. Ele, porém, negou a invasão e, nesta terça-feira, chegou a fazer piada do caso.

Conteúdo produzido pelo Portal Poder360 – www.poder360.com.br. Todos os direitos reservados. Reprodução permitida mediante autorização expressa.