Lava-Jato faz busca na casa de Lula e diz que petista é ‘beneficiário de delitos’

04/03/2016 13h24
CURITIBA e SÃO PAULO – O
ex-presidente Lula foi levado nesta sexta-feira para depor na polícia Federal
numa nova fase da operação Lava-Jato. Nela, a força-tarefa diz que o petista
era um dos beneficiários dos crimes na petrobras. Se até então Lula era investigado
por ocultação de patrimônio, segundo denúncias envolvendo o sítio em Atibaia e
o tríplex no Guarujá, agora ele é suspeito de lavagem de dinheiro e corrupção.
Nesta sexta-feira, 11 pessoas foram levadas a depor coercitivamente, entre elas
Lula, e 33 endereços foram alvos de mandados de busca e apreensão, boa parte
deles relacionados a familiares e amigos do ex-presidente.
“De fato, surgiram
evidências de que os crimes o enriqueceram e financiaram campanhas eleitorais e
o caixa de sua agremiação política (PT). Mais recentemente, ainda, surgiram, na
investigação, referências ao nome do ex-presidente Lula como pessoa cuja a
atuação foi relevante para o sucesso da atividade criminosa”. Lula está neste
momento no escritório da Polícia Federal no aeroporto de Congonhas, onde
prestaria depoimento. Havia especulação de que o ex-presidente poderia ser
levado ainda nesta sexta-feira para Curitiba.
Segundo o MPF, as
investigações apontam para crimes de lavagem de dinheiro transnacional e “há
fatos praticados quando o ex-presidente estava no exercício do mandato”.
Segundo a apuração, possivelmente a influência de Lula foi usada antes e depois
do mandato para que o esquema “existisse e se perpetuasse”.
A PF encontrou ainda
evidências de que o ex-presidente recebeu benefícios da OAS, da odebrecht e do
pecuarista José Carlos Bumlai, todos envolvidos eme squema de frause na
Petrobras. As duas contrutoras fizeram reformas e compraram móveis para o sítio
e o tríplex. Bumlai teria feito pagamento para essas obras.

Entre os que estão sendo
ouvidos hoje estão os filhos do ex-presidente, Fabio luiz e Luiz Claudio, e os
empresários Fernando Bittar e Jonas Suassuna. O braço-direito do ex-presidente
e atual presidente do Instituto Lula, Paulo Okamoto, também foi levado a depor,
assim como José de Fillipi Júnior, ex-prefeito de Diadema e ex-secretário
municipal de Saúde de SP, Paulo Roberto Valente Gortilho, diretor da OAS. O Globo

Sobre o Autor

Allyne Ribeiro