Governo federal decreta emergência sanitária no país por surto de microcefalia em bebês em Pernambuco

12/11/2015 23h13
O governo federal decretou, nesta
quarta-feira (11), estado de emergência em saúde pública. O motivo foi um
aumento dos casos de microcefalia em bebês em Pernambuco. O Ministério da Saúde
foi informado em outubro. De agosto para cá, foram registrados 141 casos de
microcefalia em 44 municípios de Pernambuco.
A microcefalia é uma malformação congênita em
que os bebês nascem com a circunferência da cabeça menor que 33 centímetros. Os
que estão com suspeita da doença passam por exames de laboratório e de imagem
para fechar o diagnóstico. ´´Noventa por cento dos casos de microcefalia têm um
retardo de desenvolvimento neurológico, psíquico e motor, e a tendência é que
este atraso de desenvolvimento apareça mais tardiamente, não logo após o
nascimento´´, explica o diretor de Vigilância Epidemiológica do Ministério da
Saúde, Cláudio Maierovitch.
Também foram registrados casos na Paraíba e
no Rio Grande do Norte, que ainda estão sendo investigados. Uma das
possibilidades é que o surto esteja associado ao zika vírus, transmitido pelo
mosquito da dengue. As mães dos bebês estão sendo entrevistadas por equipes
médicas para contar os sintomas que tiveram durante a gravidez.
Diante da incidência de casos acima do
normal, o governo adotou a chamada situação de emergência em saúde pública de
importância nacional, que permite, por exemplo, comprar medicamentos sem
licitação e contratar profissionais sem concurso.
´´Nós não sabemos, ainda, a dimensão que essa
emergência terá. Pode ser que nós estejamos frente a um evento que começou a
acontecer e que, em breve, deixe de acontecer. Pode ser que nós estejamos no
começo de uma crise mais grave´´, aponta Maierovitch.

O Ministério da Saúde também confirmou que o
país tem hoje um paciente com suspeita de ebola. É um brasileiro de 46 anos,
que voltou da Guiné, na África, onde a doença é epidêmica, Ele chegou a Belo
Horizonte no dia 6 de novembro e começou a apresentar os sintomas dois dias depois,
no último domingo (8). A Unidade de Pronto Atendimento onde o homem foi
atendido foi isolada e todas as pessoas que tiveram contato com ele estão sendo
monitoradas. O paciente seria transferido ainda na noite desta quarta para o
Instituto Evandro Chagas, no Rio, referência em infectologia. Os primeiros
resultados dos exames, que podem confirmar ou não a contaminação por ebola,
devem sair em 24 horas.

Sobre o Autor

Allyne Ribeiro