Fora Temer e fora Dilma: Maioria dos brasileiros quer novas eleições, diz pesquisa

Por - 27/07/2016
HuffPost Brasil

A cerca de um mês da decisão
final sobre o afastamento de Dilma Rousseff, a maioria dos brasileiros acredita
que a convocação de novas eleições é a melhor opção para o País, de acordo com
pesquisa da consultoria Ipsos divulgada pela BBC Brasil.
Segundo a sondagem, 52% dos
entrevistados apoiam a convocação de um pleito antecipado para outubro, junto
com as eleições para prefeitos e vereadores.
Desse percentual, 38% dizem
que o melhor seria que o presidente em exercício,Michel Temer, fosse mantido no
cargo e convocasse a nova disputa eleitoral e 14%preferem que Dilma volte ao
Palácio do Planalto antes da nova eleição.
Outros 20% defendem a volta
de Dilma e 16% a permanência de Temer até 2018. Entre os entrevistados, 12% não
souberam ou não quiseram responder.
A pesquisa foi feita entre 1
e 12 de julho e ouviu 1.200 pessoas presencialmente, em 72 cidades do País. A
margem de erro é de três pontos percentuais.
A consultoria perguntou
“Na sua opinião, o que é melhor para o Brasil?” e solicitou que o
entrevistado escolhesse entre quatro opções: a volta de Dilma; a permanência de
Temer; a convocação de eleições pela petista; e a convocação do pleito pelo
peemedebista, de acordo com a BBC Brasil.
Para realizar novas
eleições, é preciso que o Congresso aprove uma Proposta de Emenda à
Constituição, para a qual é necessária aprovação de dois terços tanto na Câmara
quanto no Senado. Apesar de um grupo de senadores e da petista defenderem a
medida, a ideia não ganhou força política para sair do papel.
Apoio ao impeachment
A sondagem também mostrou a
quarta queda consecutiva no apoio ao impeachment de Dilma. Foram registrados
54% em junho e 48% neste mês. Quem não apoia o afastamento da petista passou de
28% para 34%. Os demais estavam indecisos ou não quiseram responder.
Quanto à avaliação da gestão
do peemedebista, a avaliação ruim ou péssimo passou de 43% em junho para 48%
neste mês. No início de maio, quando Dilma ainda presidia o país, 69%
reprovavam seu governo. Já o percentual dos que consideram a administração
interina boa ou ótima variou de 6% para 7%. A avaliação regular ficou estável
em 29%.
De acordo com o
levantamento, entre junho e julho, a porcentagem de pessoas que desaprovava
totalmente ou um pouco o presidente interino recuou de 70% para 68%. A
aprovação ficou estável em 19%.
Para Dilma, a reprovação
passou de 75% para 71% e a aprovação subiu de 20% para 25%. O apoio à
presidente afastada é maior no Nordeste e entre pessoas de menor renda e
escolaridade.
Polêmica
Na semana passada, o
instituto Datafolha, empresa do jornal Folha de S.Paulo,divulgou pesquisa em
que 50% dos entrevistados disseram preferir que Temer continue presidente,
enquanto 34% responderam querer a volta de Dilma. Segundo a reportagem, apenas
3% apoiaram a realização de novas eleições.

Posteriormente, foi revelado
pelos sites The Intercept e Tijolaço que a sondagem fez uma outra pergunta
diretamente sobre apoio a eleições antecipadas, em que 62% responderam querer
que ambos deixassem o comando do País.