Fernando Bezerra Coelho repudia ligação do seu nome com Operação Turbulên

Por - 22/06/2016
Apontado pela Polícia
Federal (PF) como operador de recursos para as campanhas do PSB de 2010 a 2014,
que teria envolvido transações suspeitos, o senador Fernando Bezerra Coelho
soltou nota oficial repudiando o envolvimento do seu nome.
Na manhã desta terça-feira
(21), a PF deflagrou no Recife a Operação Turbulência. A investigação teve
início a partir de análises de movimentações financeiras de empresas envolvidas
na aquisição da aeronave que transportava o ex-governador Eduardo Campos em seu
acidente fatal durante a campanha presidencial de 2014.
“Fernando Bezerra afirma
que não foi coordenador das campanhas de Eduardo Campos, à Presidência da
República, nem em 2010 nem em 2014; não tendo, portanto, exercido qualquer
função financeira nas campanhas de Campos”, diz trecho da nota.
De acordo com a PF,
empresas de fachada, em nome de “laranjas”, realizavam transações entre si e
com outras empresas fantasmas, incluindo algumas investigadas na Operação Lava
Jato. O esquema teria movimentado mais de R$ 600 milhões desde 2010.
ÍNTEGRA DA NOTA DE FBC –
“Fernando Bezerra Coelho repudia a incorreta vinculação do nome dele à
“Operação Turbulência”, uma vez que o senador não é sequer mencionado nos autos
desta investigação. Além disso, Fernando Bezerra afirma que não foi coordenador
das campanhas de Eduardo Campos, à Presidência da República, nem em 2010 nem em
2014; não tendo, portanto, exercido qualquer função financeira nas campanhas de
Campos.
Quanto à investigação que
tramita no Supremo Tribunal Federal (STF) – ainda não concluída –, Fernando
Bezerra Coelho ratifica que sempre esteve à disposição para colaborar com os
ritos processuais e fornecer todas as informações que lhe foram e, porventura,
venham a ser demandadas. O senador reitera, ainda, que mantém a confiança no
trabalho das autoridades que conduzem o processo investigatório no STF,
acreditando no pleno esclarecimento dos fatos.”

PRISÕES – Os empresários
Apolo Santana Vieira (dono da empresa Bandeirantes Companhia Pneus), Arthur
Roberto Lapa Rosal, João Carlos Lyra Pessoa de Melo Filho (filho do ex-deputado
socialista Luiz Piauhylino) e Eduardo Freire Bezerra Leite e foram alvos de
mandados de prisão preventiva. (Fonte: JC  Online )