Falsos policiais são presos ao procurarem delegacia para denúncia

Por - 15/07/2016

Do G1 l AF Notícias l Foto: Divulgação/ PM

Três homens, de 61, 59 e
44 anos, foram presos em flagrante após se apresentarem como policiais civis na
delegacia de Prazeres, no Grande Recife, na noite de quinta-feira (14), de
acordo com a delegada Ana Luíza Mendonça. Os suspeitos chegaram a apresentar
distintivo e carteiras falsificadas da corporação e do Tribunal de Justiça de
Pernambuco (TJPE).
Os três procuraram a
unidade policial para prestar uma queixa contra uma pessoa que estaria
difamando a associação deles. Para a delegada, o que chamou a atenção da equipe
de policiais foi a “cara de pau” dos homens. “Perguntei qual era a associação e
eles disseram que era de policiais e mostraram as carteiras. Eu diria que eles
foram cara de pau de procurar a delegacia”, afirmou.
No falso documento de
identificação, até o cargo empregado nele é falso – está escrito “comissário de
menor”, quando teria que ser apenas “comissário”. A carteira ainda traz
“Justiça Social de Proteção e Defesa do Direito da Criança e do Adolescente” ao
invés de “Polícia Civil de Pernambuco”.
Ainda de acordo com a
delegada, o suposto presidente da associação — um dos presos — teria mantido que
as carteiras eram oficiais e que o único erro foi a utilização de símbolo
público. Já outro teria confessado que usava o documento para dar “carteirada”
em blitz e entrar de graça em boates.Com os honens ainda foi achado uma
lanterna de raio lazer.
A descoberta fez a
corporação realizar uma busca e apreensão na sede da associação, onde
encontraram outras carteiras falsificadas e cadastros de  pessoas. “Encontramos também boletins que
parecem ser para fiscalização de boates. Essa ousadia deles pode nos ter levado
para algo maior, um esquema de extorsão”, pontuou Ana Luíza Mendonça.

Os três homens foram
indiciados por uso de símbolos públicos. As investigações seguem e, segundo a
delegada, o trio pode ainda responder pelos crimes de falsidade ideológica,
extorsão, estelionato e formação de quadrilha. Eles foram encaminhados para o
Centro de Triagem (Cotel), em Abreu e Lima.