Executivos do Bradesco morrem em queda de avião

Por - 11/11/2015
Explosão do avião abriu uma
cratera de cinco metros no chão. Foto: O Antagonista/Reprodução da internet
Um avião do Bradesco caiu em
Guarda-Mor, Minas Gerais, na noite desta terça-feira, deixando quatro pessoas
mortas. Entre as vítimas estão o presidente da Bradesco Vida e Previdência,
Lucio Flávio Conduru de Oliveira, e Marco Antonio Rossi, presidente da CNSeg,
da Fides e da Bradesco Seguros. Rossi era considerado um dos principais
candidatos a sucessão de Luiz Carlos Trabuco. Além deles, estavam na aeronave
dois tripulantes.
O avião explodiu ao tocar no
solo e abriu uma cratera de cinco metros no chão, segundo informações do Corpo
de Bombeiros do local. A aeronave caiu entre as fazendas de Limoeiro da
Samambaia e Oliveiras, na divisa com a cidade de Catalão, em Goiás.
Testemunhas, trabalhadores das fazendas da região foram os primeiros a chegar
no local da queda e constataram que a aeronave ficou totalmente destruída. De
acordo com os militares, com o impacto, o avião abriu uma cratera de cerca de 5
metros de profundidade no chão.
Aeronave completamente
destruída
Segundo a assessoria de
imprensa da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), o voo seguia de Brasília
para São Paulo e ainda não é possível confirmar o modelo da aeronave. Uma
equipe do Corpo de Bombeiros de Catalão está no local prestando os primeiros
atendimentos à ocorrência.
“Estava tudo destruído.
O maior pedaço que sobrou deve ter o tamanho de uma geladeira pequena. Quando
cheguei havia muito fogo e não dava pra chegar perto”, disse o gerente da
fazenda Limoeiro da Samambaia, José Camilo Resende, de 55 anos, um dos
primeiros a chegar no local. “A aeronave caiu em um pasto de gado da
fazenda e abriu uma cratera de cerca de 12 metros de diâmetro”, completou.

O sobrinho de José Camilo, o
engenheiro agrônomo Paulo Henrique Resende, 26, também esteve no local do
acidente para orientar os militares do Corpo de Bombeiros. ” Ajudei eles a
chegar lá. Tivemos que andar por uns 500 metros no pasto e já deu pra ver pedaços
de vítimas espalhados”, contou. Diário de Pernambuco