Fonte: Correio/Foto:Arquivo família

O corpo encontrado na quinta-feira (5) na cidade de Palmeiras, na Chapada Diamantina, é mesmo do garoto Bernardo da Silva Marques Osório, de 1 ano e 11 meses, morto pelo pai, Paulo Roberto Osório. Exames feitos no último sábado (7) pelo Instituto de Pesquisa de DNA Forense (PDNA) comprovaram que se trata do menino. Segundo o Correio Braziliense, amostras biológicas do cadáver, que foi encaminhado ao Departamento de Polícia Técnica (DPT) de Itaberaba, foram levadas à Brasília por uma equipe da Divisão de Repressão a Sequestros (DRS) do Distrito Federal.

O DRS era quem comandava a investigação. O material foi levado de avião e entregue ao médico-legista Samuel Ferreira, diretor do IPDNA. Logo foi encaminhada para exames periciais que comprovaram a identidade do corpo, usando técnicas avançadas de genética forense.

O exame foi concluído em menos de seis horas, um recorde para a corporação, informou a polícia. Quando o corpo foi achado, em uma estrada no povoado de Campos de São João, a Polícia Civil da Bahia informou as autoridades do DF. A equipe da DRS viajou então para a cidade, na sexta. A advogada Juciane Mascarenhas Nascimento, 57, avó de Bernardo, também fez a viagem, com intenção de reconhecer o corpo. A identificação visual não foi possível e o exame de digitais não teve resultados conclusivos. Por isso, a opção foi feita pelo DNA. Com a confirmação de que se trata de Bernardo, o corpo será transferido de Itaberaba pra o DF, onde vai acontecer o enterro.