EUA atuaram para ‘parar uma guerra, não para começar uma’, diz Trump sobre morte de general iraniano

O presidente dos Estados UnidosDonald trump, afirmou na tarde desta sexta-feira (3) que morte do general iraniano Qassem Soleimani foi ação necessária para “conter o terror”, e que a intenção do país norte-americano não é a de começar uma nova guerra no Oriente Médio.

“Nós atuamos para parar uma guerra, não para começar uma guerra”, afirmou Trump em seu primeiro pronunciamento sobre a morte do general iraniano.

“Não procuramos uma mudança de regime [no Irã]”, disse o presidente. “O futuro pertence ao povo do Irã”, completou.

Qassem Soleimani era considerado o segundo homem mais importante do Irã. Líder da Força Al Quds, unidade especial da Guarda Revolucionária, o comandante morreu nesta quinta-feira (2) em um bombardeio ordenado por Donald Trump, em Bagdá, no Iraque.

O Pentágono confirmou o bombardeio no mesmo dia e disse que a ordem partiu do presidente Donald Trump. Em nota, o órgão culpou Soleimani por mortes de americanos no Oriente Médio e afirmou que o objetivo foi deter planos de futuros ataques iranianos.

Durante o pronunciamento desta sexta, o republicano justificou que “Soleimani perpetuou atos de terror para desestabilizar o Oriente Médio” e que sua morte representa o fim do terror.

“O mundo é um lugar mais seguro sem esses monstros”, disse Trump, afirmando que os EUA está pronto para agir sempre que for “necessário para proteger os americanos”.

Foto mostra veículo em chamas após ataque contra o Aeroporto Internacional de Bagdá, no Iraque   — Foto: AI do Primeiro Ministro do Iraque via AP

Foto mostra veículo em chamas após ataque contra o Aeroporto Internacional de Bagdá, no Iraque — Foto: AI do Primeiro Ministro do Iraque via AP

Escalada de tensão

A morte do general Qassem Soleimani, um dos homens mais poderosos do Irã, marca mais um capítulo da escalada de tensão entre os governos iraniano e norte-americano.

Enquanto líderes iranianos falam em “vingança”, a embaixada dos Estados Unidos em Bagdá pede aos cidadãos norte-americanos que estão no Iraque que deixem o país o mais rápido possível, por via aérea ou terrestre.

Desde o fim de outubro, militares e diplomatas americanos foram alvo de ataques, e em dezembro passado, um funcionário dos EUA morreu em um bombardeio com foguetes.

A crise subiu de patamar na terça (31), quando milicianos iraquianos invadiram a embaixada americana em Bagdá. Trump acusou o Irã de estar por trás da ação e prometeu retaliação. De acordo com o Pentágono, Soleimani teria aprovado os ataques à embaixada.

A invasão da embaixada foi uma resposta a um ataque americano na fronteira com a Síria que matou 25 combatentes das Forças de Mobilização Popular do Iraque no domingo (29).

Quem era Qassem Soleimani?

Qassem Soleimani era considerado o segundo homem mais importante do Irã

Qassem Soleimani tinha 62 anos e era um alto líder das forças militares iranianas. Herói nacional, ele foi o general da Força Al Quds, unidade especial da Guarda Revolucionária, um braço paramilitar de elite que responde diretamente ao aiatolá Ali Khamenei, líder supremo do país há 30 anos.

Soleimani era apontado como o cérebro por trás da estratégia militar e geopolítica do Irã. Muito próximo ao líder supremo do Irã, o aiatolá Ali Khameneiele, o general sobreviveu a diversas tentativas de assassinato nas últimas décadas.

Sob liderança de Soleimani, o Irã reforçou o apoio ao Hezbollah, no Líbano, e outros grupos militantes pró-iranianos. O comandante também foi responsável por expandir a presença militar iraniana na Síria, onde organizou a ofensiva do governo de Bashar al-Assad contra grupos rebeldes durante a guerra civil que assola o país. Soleimani também armou milhares de milicianos xiitas muçulmanos que lutavam ao lado das tropas aliadas de Assad.

Informações do G1