Estimulação precoce promove desenvolvimento de bebês com microcefalia

27/11/2015 14h18
No momento em que foi fotografado para a
reportagem, Mateus, 2 meses e 18 dias, segurou um brinquedo pela primeira vez.
“Isso foi muito importante, pois mostra o quanto ele tem evoluído com as
terapias que tem realizado. Uma das médicas que o atendeu disse que não devemos
perder tempo para procurar ajuda. É nisso que temos apostado”, conta a bancária
Isabel Albuquerque, 37 anos, mãe de Mateus, diagnosticado com microcefalia na
sala de parto.
Na Associação Novo Rumo, o menino faz sessões
de terapia ocupacional e fisioterapia. Hoje inicia atendimento com
fonoaudióloga. Essas atividades realizadas tão cedo são valiosas para bebês que
apresentam a mesma condição de Mateus e recebem o nome de estimulação precoce.
“Para essas crianças que têm a chance de realizar terapias nos primeiros meses
de vida, tudo fica mais fácil. Precisamos acreditar no poder da reabilitação”,
diz a médica geneticista Paula Arruda, diretora-executiva da Associação Novo
Rumo, que oferece estimulação precoce a três bebês com microcefalia. A
instituição, que fica no bairro de Casa Amarela, Zona Norte do Recife, é
reconhecida por atender crianças com deficiências, atraso no desenvolvimento e
síndrome de Down. “Não somos referência para atender os bebês com microcefalia,
mas estamos de portas abertas para receber as famílias que procuram ajuda”,
acrescenta Paula.

A mãe de Mateus lembra que, aos três meses de
gestação, apresentou manchas vermelhas na pele – um dos sintomas da zika. Os
especialistas esclarecem que nem todas as mulheres que desenvolvem a doença na
gestação darão necessariamente à luz um bebê com microcefalia. É o caso da
servidora pública Carolina Leal, 28 anos, mãe de Olívia, 1 mês e 13 dias. Na
gravidez, ela teve um quadro típico de zika e, em seguida, foi diagnosticada
com Guillain-Barré – síndrome neurológica que provoca fraqueza muscular. “Minha
filha nasceu com o tamanho da cabeça normal. É bem saudável”, conta Carolina.
Do NE10

Sobre o Autor

Allyne Ribeiro