Em Pernambuco, políticos alegam que doações da Odebrecht foram legais e declaradas

23/03/2016 21h21
Alguns políticos de
Pernambuco se pronunciaram a respeito da citação na lista de possíveis repasses
da Odebrecht, divulgada nesta quarta-feira (23). Dentre os 14 citados – no
total, são 16, porém dois faleceram -, cinco emitiram nota à imprensa
explicando a doação oriunda de empreiteira investigada pela Operação Lava Jato.
Todos alegam que o repasse
foi feito de forma legal, e as contas foram declaradas e aprovadas.
Apesar de citados nas
planilhas, os nomes dos políticos e os valores relacionados não devem ser
automaticamente considerados como prova de que houve dinheiro de caixa 2 da
empreiteira. São indícios que serão esclarecidos no curso das investigações da
Lava Jato.
LEIA TAMBÉM:
> Documentos da
Odebrecht listam mais de 200 políticos, diz UOL
> Juiz Sérgio Moro põe
sob sigilo superplanilha da Odebrecht
A assessoria de
comunicação do líder do Governo no Senado, Humberto Costa (PT), esclarece que,
em 2012, quando o senador disputou a Prefeitura do Recife, não houve doação à
sua campanha. “O que pode ter ocorrido – se efetivamente houve a doação – é que
ela tenha sido feita diretamente ao PT Nacional”, diz a nota.
O deputado federal Daniel
Coelho (PSDB) esclareceu que apoia as investigações da Lava Jato e alegou estar
tranquilo por “não ter recebido absolutamente nada além do que foi declarado
oficialmente no período eleitoral”.
Já os deputados Mendonça
Filho (DEM) e Betinho Gomes (PSDB) declararam que todas as doações foram feitas
de forma legal.
Confira as notas na
íntegra:
HUMBERTO COSTA (PT)
A citação na planilha
parece fazer menção às eleições municipais de 2012, nas quais o senador
Humberto Costa (PT) disputou a Prefeitura do Recife. Como consta da prestação
de contas aprovada pela Justiça Eleitoral, não houve qualquer doação da
Odebrecht à campanha de Humberto daquele ano. O que pode ter ocorrido – se
efetivamente houve a doação – é que ela tenha sido feita diretamente ao PT
Nacional, que repassou cerca de R$ 1,7 milhão para contribuir com a campanha do
senador em 2012, conforme registrado na mesma prestação de contas.
Assessoria de Comunicação
DANIEL COELHO (PSDB)
Nota de Esclarecimento
Em primeiro lugar, quero
aqui deixar claro que confiamos e apoiamos as investigações da Operação Lava
Jato e a atuação do juiz Sérgio Moro. Tenho certeza esse processo irá
esclarecer muito sobre a política brasileira.
Precisamos dar suporte
para que as investigações continuem com independência e transparência. Que se
investigue tudo, sobre todos, de todos os partidos.
A citação de meu nome,
hoje, em uma das planilhas, sobre uma suposta entrega de recursos em maio de
2012 não muda minha opinião sobre a investigação.
Tenho a tranquilidade de
não ter recebido absolutamente nada além do que foi declarado oficialmente no
período eleitoral. Em maio de 2012 não havia sequer a confirmação de que eu
seria candidato, como notícias veiculadas nos jornais do período podem
comprovar.
Espero que as
investigações prossigam com rapidez e tenho certeza de que nas delações que já
foram anunciadas ficará esclarecido quem deu dinheiro, para quem e quem
recebeu.
Quero deixar nosso
eleitores, amigos e simpatizantes tranquilos de que continuarei cobrando a
punição a todos os culpados. E diferentemente daqueles que têm culpa no
cartório, não iremos atacar a imprensa, que está no seu papel de divulgar os
fatos. Muito menos a justiça, que tem feito um excepcional trabalho.
O prosseguimento das investigações
esclarecerá absolutamente tudo.
#EuApoioALavaJato
#EuApoioMoro
Daniel Coelho, 23 de março
de 2016
MENDONÇA FILHO (DEM)
Com relação à divulgação
da planilha de doações feitas pela Odebrecht, o deputado federal, Mendonça
Filho, esclarece que a sua campanha para prefeito do Recife em 2012 recebeu
doação empresarial da Odebrecht de forma legal, repassada por meio das contas
do Democratas, conforme prestação de contas feita à Justiça Eleitoral e
disponível ao público. O deputado destaca, ainda, que é importante separar a
doação empresarial legal, permitida então pela Lei Eleitoral, e contribuições
ilegais derivadas de corrupção, as quais são investigadas pela Operação Lava
Jato.
BETINHO GOMES (PSDB)
O deputado Federal Betinho
Gomes recebeu com tranquilidade a informação de que seu nome constava como
beneficiário de doações eleitorais da Odebrecht.
Ele mostrou, na sua
prestação de contas de campanha, aprovada pelo Tribunal Superior Eleitoral, que
o Diretório Nacional do PSDB doou, em 2012, a quantia de R$ 100.000 (cem mil
reais) à sua campanha para Prefeito do Cabo de Santo Agostinho. Tais
informações constam no site oficial do TSE.
Segundo apurou hoje
Betinho, o Diretório Nacional do PSDB recebeu doações da citada empresa, de
maneira que está mais do que explicada a inclusão do seu nome na relação de
beneficiários da Odebrecht, instituição com a qual ele não tem qualquer relação
pessoal ou profissional.
“Reafirmo meu compromisso
de absoluto apoio à Operação Lava Jato, que tem se mostrado importante para
resgatar a credibilidade da política nacional”, reiterou Betinho Gomes.
JARBAS FILHO (PMDB)
Todas as doações de
campanha que recebi em 2012, quando tentei uma vaga para Câmara de Vereadores
do Recife, foram declaradas e aprovadas. Dentro dessa prestação existem doações
de empresas privadas, pessoas físicas e dos diretórios estadual e nacional do
PMDB, meu partido. Tudo formalizado, seguindo as orientações legais e
disponibilizado no site do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Jarbas Vasconcelos Filho

Sobre o Autor

Allyne Ribeiro