E-mail da Odebrecht cita repasses via ‘bônus’ a sete partidos

26/03/2016 17h22
Estadão Conteúdo – Em meio
às planilhas de contribuições eleitorais encontradas na residência do
presidente da Odebrecht Infraestrutura Benedicto Barbosa Silva Junior, a
Operação Lava Jato apreendeu uma cópia de e-mail de funcionários do “setor de
propinas” da empreiteira pedindo “pagamentos via bônus” a partidos e a
políticos de sete siglas – PSDB, PMDB, PT, DEM, PPS, PDT e PTB – durante a
campanha eleitoral de 2012.
Parte dos repasses
envolvendo a Construtora Norberto Odebrecht (ou CNO, segundo a sigla utilizada
pelos funcionários da empresa) que aparecem na mensagem coincide ou é próxima
dos valores declarados nas prestações de contas entregues pelas siglas, em
2012, à Justiça Eleitoral. Contudo, nenhum dos pagamentos da empresa ETH
Bioenergia (que pertence ao grupo Odebrecht) mencionados no e-mail coincide com
o que foi declarado oficialmente – um indício de que os pagamentos podem não
ter sido feitos pelo caminho oficial.
A mensagem sugere que a
empresa teria repassado R$ 2,5 milhões somente no mês de agosto daquele ano
para diretórios estaduais dos partidos, sem especificar que Estados seriam
beneficiados. Oficialmente, porém, a ETH Bioenergia doou apenas R$ 90 mil em
2012, e nenhuma de suas contribuições teve como destino algum diretório
estadual das siglas citadas.
Na mensagem, de 29 de
agosto de 2012, já no período eleitoral, Luiz Eduardo da Rocha Soares,
funcionário do setor financeiro da Odebrecht em São Paulo, solicita a Benedicto
e a Hilberto Silva, responsável pelo setor de Operações Estruturadas da
Odebrecht, os “pagamentos a serem efetuados via Bônus” referentes a uma lista
de políticos e partidos. A Operação Xepa, da Polícia Federal, concluiu que o
setor de Operações Estruturadas era o “departamento de propinas” da empresa.
O e-mail cita, em relação
ao PT, um repasse de R$ 450 mil da Construtora Norberto Odebrecht e outro de R$
500 mil da ETH. Na prestação de contas do partido, porém aparece apenas um
depósito de R$ 550 mil da construtora, em 31 de agosto de 2012, destinados ao
diretório nacional. Não há referências a doações da ETH.
Para o PSDB, a mensagem
indica repasse de R$ 100 mil ao diretório nacional, ao lado do nome do deputado
Bruno Araújo (PE), que não disputou nenhum cargo naquele ano. Ao lado do nome
do tucano aparece a sigla CBPO, em referência à Companhia Brasileira de
Projetos e Obras, que foi incorporada ao grupo Odebrecht e é chamada atualmente
de CBPO Engenharia. Também há referência a R$ 400 mil para “PSDB Estadual”, sem
referência a qual diretório. Oficialmente, a única empresa do grupo que doou
para o PSDB em agosto de 2012 foi a ETH, que fez um repasse de R$ 15 mil ao
diretório nacional.
Já o repasse ao PSB citado
no e-mail, feito pela Construtora Norberto Odebrecht, coincide com uma
transferência feita em 31 de agosto de 2012 e registrada no Tribunal Superior
Eleitoral, no valor de R$ 300 mil. As informações são do jornal O Estado de S.
Paulo.

Sobre o Autor

Allyne Ribeiro