Dirigir cinquentinha sem habilitação dá multa de R$ 574 a partir desta quarta-feira

01/06/2016 13h56
Do Jc online l Foto
reprodução
Agora é para valer. A
partir desta quarta-feira (1º), o condutor das motos de até 50 cilindradas,
conhecidas popularmente como cinquentinhas, terá que estar habilitado. Quem for
pego sem Carteira Nacional de Habilitação (CNH) na categoria A ou ACC
(Autorização para Conduzir Ciclomotor) pagará multa de R$ 574, estará cometendo
infração gravíssima (7 pontos) e terá o veículo apreendido. A multa equivale ao
valor da penalidade por infração gravíssima, R$ 191,54, multiplicado por três.
A exigência da habilitação
deveria ter entrado em vigor em fevereiro, mas o Conselho Nacional de Trânsito
(Contran) voltou atrás e prorrogou o prazo para o dia 31 de maio. Desde o dia
1º de março o Detran-PE estava realizando blitzes para fiscalizar a habilitação
dos ciclomotores e só no primeiro dia de abordagens 13 veículos foram
apreendidos. Porém, com a decisão do Contran a ação foi suspensa.
Para facilitar a formação
do condutor de cinquentinha, o Contran reduziu a carga horária prática e
teórica exigida para tirar a ACC, tornando o processo mais ágil e barato. A
resolução reduziu a carga horária exigida para a autorização de 45 horas/aula
teóricas e 20 horas/aula práticas para apenas 20 horas/aula teóricas e 10
horas/aula práticas. As provas tiveram uma redução de 30 questões para 15,
exigindo um percentual de acerto de 60%. O candidato precisa acertar apenas
nove e não mais 21 questões. Com isso, o valor para tirar uma ACC foi reduzido.
Até então, retirar uma ACC significava seguir o mesmo processo e pagar o mesmo
valor de retirada de uma CNH na categoria A. Estima-se que uma ACC esteja
custando, em média, R$ 300.
Nas ruas, entretanto, a
população questiona o valor. Diz que é muito alto para os condutores de
ciclomotores. “Quem dirige cinquentinha é pobre, é gente humilde. Você não vai
ver ricos numa 50 cilindradas. Concordo com o emplacamento, mas não com a cobrança
da habilitação. Eu, por exemplo, perdi meu emprego por causa da crise e não
tenho condições de pagar nada. Aliás, agora, não poderei nem usar o veículo
para vender alguma coisa ou procurar emprego”, reclama Gutemberg de Lima, 33
anos, morador de Chão de Estrelas, na Zona Norte do Recife.
Os condutores, entretanto,
não têm procurado o Detran-PE para tirar a ACC. A habilitação começou a ser
exigida com a regulamentação dos ciclomotores, no dia 31 de julho do ano
passado. Porém, em 15 de outubro, a 5ª Vara Federal em Pernambuco, suspendeu a
exigência por liminar. A decisão foi derrubada, também em caráter liminar, um
mês depois pelo Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF5). O documento
chegou a ser exigido em dezembro, mas poucos dias depois a exigência foi
suspensa novamente.

A reportagem passou o dia
tentando entrevistar a direção do Detran-PE para saber se haverá fiscalização
nas ruas, mas ninguém do órgão se pronunciou e nenhuma operação foi anunciada. 

Sobre o Autor

Allyne Ribeiro