Dilma é notificada pelo STF para explicar por que chama impeachment de golpe

19/05/2016 15h17
A ministra Rosa Weber, do
Supremo Tribunal Federal (STF), determinou ontem (18) que a presidenta afastada
Dilma Rousseff seja notificada sobre interpelação judicial proposta por
deputados que questionam o fato de a presidenta classificar o processo de
impeachment de “golpe de Estado”. No despacho, a ministra concedeu prazo de dez
dias para que Dilma se manifeste a respeito.
Na ação, assinada pelos
deputados Júlio Lopes (PP-RJ), Carlos Sampaio (PSDB-SP), Pauderney Avelino
(DEM-AM), Rubens Bueno (PPS-PR), Antônio Imbassahy (PSDB-BA), Paulo Pereira da
Silva (SD-SP), os deputados argumentam que a acusação de Dilma é algo de
“gravidade ímpar, sobretudo, ao se levar em consideração a recente história
nacional e as possibilidades de ruptura que declarações desse tipo podem trazer
à sociedade brasileira”.
Na interpelação, os
deputados apresentam uma série de discursos proferidos por Dilma em que ela
classifica o processo de impeachment contra ela de “golpe”.
“Ao comportar-se da
maneira como vem fazendo, a senhora presidente da República deixa toda a nação
em dúvida, recomendando, portanto, a presente interpelação, a fim de que possa
explicar qual a natureza, os motivos e os agentes desse suposto ‘golpe’”, dizem
os deputados na ação.

Eles pedem ainda que Dilma
explique, entre outros pontos, quais atos compõem o golpe denunciado por ela,
quem são os responsáveis, quais instituições atentam contra seu mandato e quais
as medidas que ela pretende tomar, na condição de Chefe de Governo e Chefe de
Estado, para resguardar a República.

Sobre o Autor

Allyne Ribeiro