Dilma avalia renúncia para disputar governo do Rio Grande do Sul

16/05/2016 14h28
Diário do Poder 
A presidente afastada
Dilma Rousseff (PT) pretende repetir o gesto do ex-presidente Fernando Collor e
renunciar antes de o Senado iniciar seu julgamento. Segundo o colunista Cláudio
Humberto, do site Diário do Poder, afirma que uma fonte petista diz que a
renúncia passou a ser considerada após a aprovação da admissibilidade do
impeachment no Senado por 55 votos favoráveis e 22 contrários. Para condená-la,
54 votos bastam. A ideia seria fazer o caminho do ídolo Leonel Brizola,
disputando o governo gaúcho ou o do Rio de Janeiro.
Confirmada a fortíssima
possibilidade de impeachment, Dilma ficará inelegível por oito anos. A renúncia
preservaria sua elegibilidade. Dilma manterá estratégia de se vitimizar,
repetindo à exaustão o discurso de “golpe” e mantendo mobilizada o que imagina ser
sua militância.

A prioridade de Dilma
seria disputar o governo do Rio Grande do Sul, onde se radicou. E foi até
secretária estadual. No caso de Collor não deu certo: na ocasião, o Senado
ignorou a renúncia e decidiu manter o julgamento, aprovando o impeachment.

Sobre o Autor

Allyne Ribeiro