Coluna – Breno Ramos na disputa entre os pré-candidatos de Alexandre

Por - 26/10/2015
O atual secretário de agricultura do
município de Araripina Breno Ramos (PSD), não tem visto, o seu projeto de 2016 em disputar a Prefeitura Municipal de Araripina, se destacar com o apoio do
grupo de Alexandre (PSB).

A frente da secretaria, não teve condições de fazer o
trabalho que desejava, deixando a desejar há muitos que acreditam no seu
potencial.
Quando algumas ações começam a aparecer, como
Patrolamento das estradas, sempre é entregue ao assessor do vereador Tião do
Gesso que é o ex-vereador Severino, que por sinal não faz parte da pasta de
agricultura.
As cobranças são feitas ao secretário Breno, mas na
hora de atender, o serviço é destinado a outra pessoa, ou seja, eles colocam
outro pré-candidato para ganhar o crédito, deixando Breno Ramos apenas como um
intermediador do problema e nunca aquele que resolve o problema.
Breno é um bom nome para disputar como candidato, o que
falta é o grupo do prefeito Alexandre levar a sério, o projeto dele e apoiá-lo.
O mesmo tem grande articulação política na capital, com pessoas que abrem as portas
para ele, essa influência é devida o prestigio político que seu pai, o
ex-governador Jose Ramos tem.
Breno foi chefe de gabinete quando André de Paula era
secretário de agricultura de Pernambuco, época que Araripina foi bastante
contemplada.

Nomes a serem apoiados por Alexandre – No quadro
político de Araripina hoje existem vários nomes que podem disputar a
prefeitura, tanto do lado da situação, quanto do lado da oposição, sem contar
com o médico Aluízio Coelho (PP), que desponta numa terceira via. A oposição
tem três nomes para a disputa, a deputada Socorro Pimentel, Raimundo Pimentel e
Evilásio Mateus. Na situação Alexandre tem vários nomes, como; Dr. Divonagoras,
Tião do Gesso, Leonardo Batista e o próprio Brenos Ramos, apesar de que já
sabemos que o nome de Breno já não é mais trabalhado para isso, ou nunca foi,
mas também teria alguém de Valdeir Batista, só que os ocorridos, mostram que o
ex-prefeito já pode ter rompido com Alexandre, uma deixa foi o comunicado por
seu sobrinho Valmir Bezerra, que comunicou sua saída do Araripina Futebol
Clube. Antes disso Valmir foi pedir orientação a seu Tio Valdeir Batista, se
rompia ou não com Alexandre, segundo uma fonte, o mesmo disse que rompesse,
pois, Alexandre não cumpriu os compromissos, e compromisso é feito para
cumprir.
Uma fonte da capital nos informou que Valdeir comunicou
ao palácio que não vota em Tião do Gesso, que hoje é o possível candidato a
prefeito de Alexandre Arraes.

Um
novo grupo
– Na semana passada teve o rompimento de mais dois
vereadores com o prefeito Alexandre Arraes, que foi o presidente da Câmara
Luciano Capitão (PSB) e o vereador Doval da Saúde (PC do B). Os dois vereadores
romperam, mas deixaram claro que não estavam indo para o grupo de oposição
liderado pela deputada Socorro Pimentel e Raimundo Pimentel, que estavam indo
para um novo grupo, com ex-prefeitos, ex-vereadores, lideres comunitário e
pessoas que querem o bem de Araripina. Esse novo grupo que está se formando, é
o grupo do vice-prefeito Valmir Filho e do seu pai o ex-prefeito Valmir
Lacerda.

Uma pergunta – Será que Valdeir pode está se alinhando ao grupo de Valmir Filho?

Dilma vive no mundo da Lua – O deputado federal e ex-governador de Pernambuco Jarbas
Vasconcelos (PMDB) detonou o governo federal, a presidente Dilma e o parlamento
brasileiro em entrevista à Folha de São Paulo, nesta segunda-feira (26).
Jarbas afirmou que o governo federal está envolto em um “mar de
corrupção”.
Para Jarbas, a presidente Dilma vive no mundo da lua, o
Congresso Nacional é uma tragédia e Eduardo Cunha (PMDB) não passa de um
“psicopata”, que não tem mais condições morais para presidir a Câmara dos
Deputados.
“Estou na política há mais de 40 anos e nunca vi nada
parecido, um momento de degradação e deterioração, uma tempestade. Crise
política arrastando crise econômica, moral e ética”, desabafa o
parlamentar. Cotado como possível candidato à presidência da Câmara,
Jarbas foi o único parlamentar do PMDB a assinar a representação que pede a
cassação de Cunha.
Jarbas defendeu que Dilma renuncie. “Ela perdeu
as condições de governabilidade, está desacreditada”. E diz que a
presidente mentiu ao país. “Mentiu ao dizer que só tomou consciência da
dimensão a crise em novembro (2014). Ela sabia de tudo. Nos debates com Aécio,
sabia que o país estava em crise, que não podia prometer aquilo e nem fazer o
que estava fazendo. O processo de mentira foi estendido para o pós-eleição”,
ressaltou.
Ainda assim, Jarbas não vê motivação legal para um
processo de impeachment contra a presidente Dilma. “O delito ainda não
surgiu concretamente”. Sobre Cunha, além de chamá-lo de “psicopata”, o
deputado ainda disse que ele “debocha” das instituições, que “não tem caráter,
joga dos dois lados”.