Cidade de Curral Novo no Piauí terá o maior parque de energia eólica da América Latina

02/09/2015 16h53
O Piauí terá o maior
parque de energia eólica (ventos) da América Latina, garante o secretário
estadual de Mineração, Petróleo e Energia Renováveis, Luiz Coelho. Ele afirmou
que uma das maiores subestação para energia eólica do Brasil está localizada em
Curral Novo, no Sul do Piauí.
Segundo ele, com a
Subestação de Curral Novo, as empresas podem acumular energia e vender para o
Operador Nacional do Sistema, que a distribui para todo o país.

Hoje, o Parque de Energia
Solar de Curral Novo tem 600 torres e o projeto terá 3 mil torres. “Com 3 mil
torres, o Piauí terá o maior Parque Eólico da América Latina. O Piauí está na
linha de produção de energias renováveis.
Na sexta-feira, foram
arrematados 9 projetos de produção de energia solar em leilão da Agência
Nacional de Energia Elétrica. Nós estamos conseguindo isso porque temos uma
rede de distribuição dessa energia”, afirmou.
Luiz Coelho disse que 1
mega de energia solar custa R$ 5 milhões e o Piauí vai produzir 2 mil megas, o
que vai dar R$ 10 bilhões de investimentos em um período de três anos.
“São investimentos nessas
cifras que vão colocando o Piauí na frente da produção de energia limpa,
notadamente, as energias eólicas e solar. Isso é muito importante para o
Estado. Não podemos só pensar na sobra de energia.Precisamos pensar que se a
gente tem energia aqui no Estado, facilita a instalação de indústrias e de
empresas. Precisamos melhorar nosso sistema de distribuição de energia porque
existem muitas empresas produzindo energia e jogando na Linha 69. Jogando na
Linha 69, equilibra a energia nos pequenos municípios porque no Piauí temos
cidades com déficit de energia muito grande”, declarou Luiz Coelho.
Os empreendimentos de
energia solar do Piauí estão sendo instalados em São João do Piauí, que tem 30%
do parque de energia fotovoltaica do Estado; em Picos e Monte Alegre, que são
regiões com Subestações de Energia Elétrica e Eixões.
“A energia captada do sol,
que se chama fotovoltaica, é captada, mas precisa da rede de transmissão de
energia e da subestação. Por isso, é que o Governo do Estado começa a planejar
o crescimento das linhas de transmissão e as Subestações de Energia, com
linhões, para que possamos ser o grande produtor de energia solar”, declarou
Luiz Coelho.
Fonte: Meio Norte

Sobre o Autor

Allyne Ribeiro