Caso Beatriz completa 6 meses sem desfecho: ‘vamos continuar lutando’

10/06/2016 14h51
Caso Beatriz completa 6
meses sem desfecho: ‘vamos continuar lutando’
Menina de sete anos foi
morta a facadas dentro de colégio em Petrolina.
Moradores de Juazeiro,
onde vítima morava, pedem Justiça.
Pontes, carros, prédios
públicos e privados do município de Juazeiro, no norte da Bahia, têm um nome em
comum estampados: Beatriz Angélica Mota. A menina de sete anos foi morta a
facadas dentro de um colégio no Centro de Petrolina, Sertão de Pernambuco. O
crime completa seis meses nesta sexta-feira (10) e ninguém foi preso.
Familiares e amigos seguem em busca de Justiça.
“Vamos continuar lutando
em busca de Justiça para que esses criminosos, esses assassinos, sejam punidos.
Vamos participar de todos os manifestos, de toda manifestação em relação à
cobrança ao poder público para que a resposta venha o mais rápido possível”,
afirma a mãe da vítima.
Assassinada em Petrolina,
a menina morava com a família em Juazeiro, cidades afastadas por cerca de seis
quilômetros. Os juazeirenses ficaram marcados pela brutalidade do crime. “Um
crime bárbaro desses não tem como esquecer”, diz um morador do município. Desde
que Beatriz foi morta, foram realizadas sete grandes manifestações pedindo
Justiça.

Uma faixa com a foto da
menina está estampada na Ponte Presidente Dutra, que separa Juazeiro de
Petrolina. “Não só durante as manifestações, mas durante todo o dia, no
shopping, nas ruas, as pessoas nos cumprimentam, nos abraçam, as pessoas choram
conosco, as pessoas fazem orações. A gente sempre recebe o apoio de todos”,
agradece Sandro Ferreira, pai de Beatriz. Nesta sexta-feira, a polícia de
Petrolina informou que dará uma coletiva sobre o caso. 
Fonte: G1 l Foto reprodução

Sobre o Autor

Allyne Ribeiro