AUDIÊNCIA PÚBLICA, NÃO É MAIS O CAMINHO PARA DISCUTIR A SEGURANÇA PÚBLICA, AFIRMOU LUCIANO CAPITÃO, CONTRARIANDO O LÍDER DA BANCADA DE SITUAÇÃO.

Por - 04/06/2016
O vereador da bancada de
situação – Francisco Edvaldo (PROS), fez um requerimento à mesa diretora da
câmara solicitando que seja marcada uma data para discutir ‘Segurança Pública’,
que a presidência oficialize os convites as instituições, Polícias Militar e
Civil, Ministério Público de Pernambuco – MPPE, o Juiz da nossa Comarca, as
associações, a CDL, os clubes de serviços, o Secretário de Segurança Pública do
Estado, o prefeito, a deputada Estadual no Araripe, a Assessora Especial, a
AVA, a AMUPE, e a população araripeana, para que seja encaminhado ao governo do
Estado as reivindicações para debater a segurança pública do Município e do
Araripe, enfatizou Edvaldo, celebrando um compromisso através de uma petição
feita por escrito e digitalizada.
O requerimento deve ser
aprovado pelos pares da casa legislativa, mas como todo processo tem no caminho
um empecilho  e isso sempre acontece
movido pelos critérios políticos, no meio do discurso do vereador líder da
bancada de situação, o presidente Luciano Capitão (PMDB), hoje um quase
adversário político do seu ardoroso ex-aliado, interpelou o discurso de
Francisco Edvaldo, afirmando que ver com bons olhos a audiência pública, mas
ressaltou que esse não é mais o caminho, e como já foram realizadas três
eventos e que não surtiram efeitos, ele lembrou das visitas que fez juntamente
com a AVA e que esteve com os vereadores numa audiência com o próprio
Secretário da SDS/PE, e que no momento fora repassada toda documentação com a
presença dos comandantes das polícias Militar e Civil do Município. Para
Capitão, que acredita que uma nova audiência pública não vai resolver nada,
contrariando o posicionamento da maioria da câmara, disse que é preciso rever
outra estratégia (sem mencionar qual), e que a FALTA DE VONTADE DO GOVERNO DO
ESTADO em fazer com que as coisas andem é o principal entrave para solução do
problema da nossa segurança pública, externou.
Notadamente, mesmo que
alguém acredite no contrário, ou digam que o editor deste, está errado, os
lados opostos que agora estão os dois edis que sempre concordavam em tudo
quando comungavam da mesma bancada, trazem para as decisões que deve favorecer
um coletivo, debates contraditórios aos interesses comuns.
Para o vereador Francisco
Edvaldo, que também agora quer dar uma de bom moço em defesa da população, e
que a gestão que sempre defendeu não o habilita ao papel de representante
incondicional do povo (a não ser no seu papel de vereador parcial), lembrou ao
presidente da Câmara que não se pode desistir porque das outras vezes não
aconteceram os resultados esperados, e que ele está investido do poder de
presidente, para juntos com os outros parlamentares, elaborar um documento bem
formulado, juntar forças com os 93 vereadores do Araripe, com os 10 prefeitos,
e todos os outros órgãos representativos, e encaminhar ao Governador e ao
Secretário de Defesa Social – Alessandro Carvalho Liberato de Mattos, os
convocando para ouvir à população.
Como Araripina principalmente,
tem sido alvos constantes de assaltos que agora não se limitam mais a cidade, e
agora a criminalidade está também assolando os distritos e outras localidades
rurais do Município, é preciso desarmar as bandeiras partidárias, como o
próprio Capitão e Edvaldo sempre que usavam a tribuna defendiam quando eram
aliados.

Araripina merece essa
atenção.